“Gravatá está precisando de um prefeito”.

Essa declaração foi feita pelo deputado estadual Waldemar Borges em entrevista concedida ao programa Cidade em Foco da Rádio Nova Fm de Caruaru e foi mais longe nas suas críticas. Segundo o deputado, Gravatá está se tornando pequena em função da falta de gestão e de compromisso do atual prefeito com a cidade: “Gravatá tem um potencial enorme e não pode está apequenada desta maneira”, para ele a cidade atravessa uma de suas piores fases, sem crescimento e sem nenhuma perspectiva de melhoria.

“É uma gestão absolutamente inócua, que já está chegando na sua reta final, e ainda não disse para o que veio. Mesmo as funções mais elementares de uma Prefeitura, que é tapar buracos e limpar a cidade, estão sendo feitas de forma muito precária”, continuou o deputado, afirmando ainda que: “Gravatá está precisando de fato de um prefeito, de um gestor, alguém que tenha uma visão avançada e que faça uma gestão a altura da cidade. Gravatá tem um potencial enorme e não pode está apequenada desta maneira”

Questionado sobre se ele disputaria a prefeitura o deputado Waldemar Borges disse que o nome não  precisa necessariamente ser o dele e que a oposição está construindo uma unidade para no momento oportuno apresentar um nome que vai disputar as eleições em 2020 com o projeto de recuperar o status que Gravatá sempre teve e que ele estará inserido nessa mudança e participará ativamente das eleições seja como candidato ou apoiando o candidato escolhido pelas oposições.

Em entrevista ao programa Bate Papo com Tomaz o pré-candidato Hilton Pimentel a prefeito de Gravatá Hilton Pimentel também criticou Joaquim Neto, afirmando qie ele decepcionou seus eleitores mas ressaltou que acha difícil a união das oposições e que isso só facilita a reeleição do atual gestor.

É o xadrez da política de Gravatá sendo jogado pelos atores principais: os políticos.