Sérgio Moro vai lançar livro no Recife contando os bastidores da sua saída do governo Bolsonaro.
Em entrevista ao Estadão ele disse:
“É importante destacar que o combate à corrupção, a construção de um país mais íntegro, não é um propósito pessoal. Eu nunca encarei essas questões como uma derrota pessoal. Nós avançamos durante a Operação Lava Jato. Infelizmente, vimos retrocessos que vieram do Congresso, do Planalto e também do Supremo Tribunal Federal. Decisões tomadas por maioria que enfraquecerem o combate à corrupção. Mas, ao invés de adotar aquela postura agressiva, o que nós temos que buscar é construir soluções. Nós podemos retomar, por exemplo, a execução da condenação em segunda instância, que às vezes parece complexo, mas é fácil das pessoas entenderem. A gente precisa ter um processo criminal que chegue em um fim, porque um processo sem fim no fundo é a porta da impunidade para os poderosos, que conseguem postergar o fim do processo infinitamente. Eu faço essa abordagem crítica de decisões que o Supremo tomou, com todo respeito, porque foram decisões que realmente não foram favoráveis para o fortalecimento do combate à corrupção. No entanto, se houvesse um Planalto comprometido com o tema, ele seria um contraponto, teria influência tanto no Congresso como junto ao Supremo Tribunal Federal. E ao contrário, como eu coloco no próprio livro, o Planalto de certa maneira comemorou o fim da prisão em segunda instância. O presidente inclusive proibiu o filho dele de se manifestar a respeito. Então é algo absolutamente paradoxal e essas contradições estão muito claras. Essa, inclusive, também é uma das razões da minha saída do governo. Eu fiquei lá, defendi minhas posições, defendi o que o povo brasileiro esperava, que era o fortalecimento do combate à corrupção, e fui vendo esse plano sabotado paulatinamente. Até o momento em que houve a interferência na Polícia Federal, aí eu perdi qualquer motivo para permanecer no governo”.
O evento será no Teatro do Rio Mar, no dia 5 de dezembro, com início às 18 horas. Os ingressos já estão à venda.
Por isso que precisamos urgente de um novo governo e juntos Podemos ter um Novo Brasil.