16 de janeiro de 2015 às 08:08h

Posto Odontológico está interditado sim

interdiçãoGravatá está virando comédia, pra não dizer tragicomédia, tão em voga nos melodramas globais.

Publica-se em blogs locais uma notícia de interdição nos postos de Saúde Ana Caminha I e II e fotos comprovam a colocação de um adesivo onde se lê interdição, portanto, interditado.

No site oficial da Prefeitura de Gravatá, informa-se que o posto o consultório odontológico foi fechado para higienização e limpeza e não fala de interdição, dizendo que nos próximos dias volta a funcionar.

No blog do secretário de imprensa a nota da prefeitura é repetida e o editor ainda dá a informação de que quem disse que estava fechado enganou-se.

Ora, o posto está fechado, interditado e sem funcionar. E se é verdade o que afirma a secretaria de saúde e o secretário de imprensa então que se publique o relatório de avaliação da Vigilância de Saúde Sanitária que decretou a interdição do espaço para mostrar os motivos que levaram à interdição.

Outra informação que chama a atenção é que quem quiser ser atendido no posto odontológico tem que levar escova e toalha como se lê num cartaz que está na porta. Ora, se existe falta de higiene e é necessário esterilização, então é preciso saber se existe despesas da prefeitura com escovas e com toalhas para atendimento de pacientes  o consultório odontológico, o que no mínimo será estranho.

Portanto, o Posto Odontológico está interditado e não sabemos a gravidade do motivo.

15 de janeiro de 2015 às 11:49h

Presidente da Câmara é obrigado a devolver cargos aos vereadores da oposição

Numa decisão esdrúxula, politiqueira e inconstitucional o presidente da Câmara Municipal de Gravatá, vereador Pedro Martiniano, apropriou-se dos cargos comissionados destinados aos gabinetes dos vereadores de oposição, não nomeando os assessores oposicionistas. Pela lei cada vereador, independentemente de ser da oposição ou da situação tem direito a dois assessores.

O presidente da casa numa atitude mesquinha e ilegal não permitiu a nomeação dos assessores dos vereadores da oposição o que provocou uma ação de caráter mandamental – processo 000025-07.2014 8 – 17.0670, que difere de outras ações, por ser uma ação de cunho constitucional (tipo mandado de segurança) e de cumprimento imediato após a decisão da justiça.

Com a ação impetrada na 1ª vara do TJPE, comarca de Gravatá, eles foram buscar o direito líquido e certo de nomear os seus assistentes de acordo com o que determina o regimento interno da casa legislativa.

Em 19 de setembro de 2014 a justiça determinou que o presidente da câmara devolvesse os cargos aos gabinetes oposicionistas e nomeasse os indicados pelos parlamentares. A decisão não foi cumprida pelo vereador Pedro Martiniano que entrou com um pedido de suspensão da decisão, que foi negado pelo tribunal, mantendo a decisão de cumprimento imediato.

Como não cumpriu a decisão os vereadores da oposição entraram com Pedido de Intervenção Judicial na câmara, afim de forçar o cumprimento da decisão judicial que após quatro meses vem sendo desconsiderada, caracterizando “latente desrespeito a ordem judicial” conforme explica documento de sentença promulgado em 14.01. 2015.

Em função disso veio a decisão final onde a justiça exige que o presidente da câmara cumpra em 48 horas a determinação judicial, nomeando os chefes de gabinetes e assessores dos vereadores de oposição, sob pena de decretação de improbidade administrativa e de intervenção na Câmara Municipal de Vereadores.

Em trecho do documento a juíza Patrícia Caiaffo de Freitas Arroxelas Galvão diz: “ Inadmíssivel se mostra a postura do impetrado em não cumprir a decisão judicial, o que caracteriza ato de improbidade administrativa que ofende os princípios da administração pública”.

Continuando ela afirma: “…uma das medidas possíveis se configura, inclusive, no afastamento do Poder daquele que descumpre a ordem judicial.

Cabe destacar que o não cumprimento da decisão provoca multa de R$ 5.000, diária, do salário daquele que descumpre a ordem judicial, mesmo que ele tenha recorrido mais uma vez como foi o caso dele que entrou com pedido de reconsideração, também negado. Como neste caso o cumprimento da sentença é de caráter imediato, o presidente da Câmara corre o risco de sofrer intervenção, ser afastado do Poder Legislativo, ser condenado por improbidade administrativa, pagar multa e ficar inelegível, ou seja, pode acontecer “tudo”, inclusive “nada”.

Vamos aguardar a decisão do presidente da Câmara Municipal de Gravatá cujo prazo de 48 horas só começa a contar a partir do momento que ele for intimado, o que até agora não aconteceu.

13 de janeiro de 2015 às 11:36h

Gravatá perde espaço no mercado imobiliário

Ninguém mais tem dúvidas de que a cidade de Gravatá deixou de atrair investimentos para o setor imobiliário como aconteceu até o ano de 2012.

Sem mudanças no código de obras, sem transformação no Plano Diretor, sem investimento em infraestrutura básica, sem aplicação de recursos em projetos de mobilidade e de melhoria da circulação pelas ruas do município, não resta outra saída para o capital a não ser buscar outras oportunidades em outras cidades.

Como não existe espaço vazio em política, os prefeitos de outras localidades como Caruaru, Bezerros, Chã Grande e Vitória de Santo Antão passam a oferecer vantagens aos incorporadoras e investidores que se mudam para esses locais com toda a sua estrutura de pessoal, equipamentos, etc., dando uma impressão de abandono para Gravatá.

Outro grande problema diz respeito a falta de projetos turísticos nos últimos dois anos, onde um secretário fraco e incompetente, dominado por um prefeito autoritário e inconsequente acabou com a movimentação de visitantes, sob os olhos complacentes de um Conselho de Turismo omisso e subserviente.

Tudo isso somado e mais as denúncias constantes de corrupção da atual administração leva os novos empreendimentos para áreas mais promissoras.

A oposição precisa ficar unida, abandonar o discurso vazio e partir para a prática criando projetos de lei de iniciativa popular. E alguns líderes que ninguém nunca sabe de que lado estão também precisam se mobilizar e cobrar ações que tragam de volta o glamour, o respeito e a credibilidade que Gravatá merece.

11 de janeiro de 2015 às 13:08h

Pastores formam conselho para apoiar o prefeito?

Achei no mínimo estranha a publicação no site oficial da prefeitura afirmando que o Conselho de Pastores de Gravatá foi fundado e declarou apoio à gestão do prefeito Bruno Martiniano.

Além de estranho é preocupante que líderes religiosos misturem doutrina com política e transformem a entidade de classe num braço político da prefeitura, permitindo a cooptação clara e sem cabimento de lideranças religiosas que não tomam conhecimento das decisões da cúpula do conselho.

Os pastores têm responsabilidade com os seus rebanhos e sabem que não podem estar escolhendo lado azul ou vermelho, até porque nas denominações existem membros de todas as tendências partidárias.

Cabe destacar que pessoalmente os pastores podem fazer as suas escolhas políticas e apoiar quem quiserem e até trabalhar para o prefeito como é o caso de um ou outro, porém isso não significa que possam transformar a entidade em palanque político  de apoio ao prefeito, o que se configura em desrespeito perante a comunidade evangélica da cidade.

Abro aqui espaço para que os pastores da diretoria do Conselho de Pastores neguem ou confirmem apoio da organização ao prefeito.

 

 

10 de janeiro de 2015 às 05:43h

Deu problema na fundação do Sindicato dos Trabalhadores em Condomínios

Um grupo do STEALMOAIC – Sindicato dos Trabalhadores em Asseio e Conservação compareceram a assembléia de fundação de uma nova entidade da categoria: o Sindicato dos Trabalhadores em Condomínios de Edifícios e Residências de Gravatá e Região.

A reunião para fundação acontecia no Círculo Operário quando mais de duzentos representantes do Stealmoaic invadiram as dependências e impediram a continuidade do ato de fundação alegando irregularidades.

Depois de muita confusão ficou marcada uma nova assembleia para março.

Cláudio Leão, membro da comissão da fundação da nova entidade disse que é provável que seja fundada inicialmente uma associação e depois será transformada no sindicato.

9 de janeiro de 2015 às 06:38h

Mais uma vez uma festa sem planejamento e sem resultados para o trade turístico

A prefeitura anunciou no dia 6 a programação da Festa de Reis da cidade que vai começar no dia 10 e segue até o dia 11, são apenas dois dias para comemorar um dos eventos mais tradicionais de Gravatá.

Para compensar as críticas que recebeu na Festa de Russinhas por não ter apoiado a festa de lá, a prefeitura vai colocar o palanque da Festa de Reis ao lado da igreja (passando manteiga no bigode do gato) especialidade do atual secretário de turismo.

A improvisação, a falta de atrações nacionais e de peso para atrair turistas, a falta de planejamento e os custos que ninguém sabe quais foram, marcam mais esta decisão da prefeitura, tomada de sopetão, de última hora, sem nenhuma discussão, sem nenhum debate com o Conselho de Turismo, que é omisso e subserviente à atual gestão, pois se houve reunião era para ter comunicado à população, a imprensa e, particularmente, ao trade turístico.

Assim ficamos a mercê de um prefeito que pouco está se incomodando com o caos administrativo da cidade, com um secretário que faz de conta que faz as coisas e com um conselho de turismo que pode fazer qualquer coisa menos discutir e debater o turismo de Gravatá.

Ou esses não têm do que reclamar e a situação para eles está muito cômoda.

A programação que a prefeitura divulga é fraca, não atrai, pode até ter gente, mas não visitantes, não turistas para os hotéis e para incentivar o crescimento das vendas no comércio e no turismo.

Confira a programação de uma festa anunciada para acontecer num prazo de três dias. Ou é brincadeira ou é apenas mais uma falta de respeito da atual gestão com os que fazem esta cidade e que se calam, se omitem e apenas murmuram pelos cantos e nas caladas da noite.

Sábado – 10 de janeiro de 2015

21 horas – Don Tronxo

23 horas – Augusto César

01:00 – (Atração a confirmar)

Domingo – 11 de janeiro de 2015

21 horas – Adilson Ramos

23 horas – Banda Brucelose

9 de janeiro de 2015 às 06:16h

Ex-secretario de turismo de Gravatá critica a atual gestão esquecendo da sua

Na multidão de palavras não falta pecado, mas o que modera os seus lábios é sábio. Provérbios 10:19

Fernando Resende, ex-secretário de turismo de Gravatá e novamente vereador, pois reassumiu seu cargo na câmara ao deixar a pasta, quer mostrar uma independência que não tem, pois é da base do governo, apoia o governo e defende o governo.

O vereador diz  na sua página no facebook que a secretaria de saúde se equivocou ao decidir de forma unilateral a questão dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) ao optar pela compra de Equipamentos Individuais ao invés de utilizar a verba do MS para pagamento de abono aos trabalhadores. Na sua nota o vereador diz que faltou diálogo da secretaria com os ACS´s.

Depois fala em debate querendo dar aula de democracia e diálogo como se não concordasse com as práticas autoritárias da atual gestão que não escuta ninguém, não respeita ninguém, não conversa com ninguém e ainda por cima está enlameada em ações escusas já denunciadas pela oposição, da qual o vereador não faz parte.

Na verdade o desejo do vereador é mudar a sua imagem, pois saiu muito chamuscado da prefeitura depois de uma gestão fraca onde não conseguiu manter os projetos de turismo que a cidade tinha e não trouxe novos projetos para o município prejudicando o trade turístico.

Se ele é tão democrático e gosta tanto de conversa pergunto: O que aconteceu com o Conselho de Turismo de Gravatá na sua gestão? Quantas reuniões aconteceram entre o Conselho, ele e o prefeito para discutir as ações da pasta? Qual planejamento foi feito junto com os interessados do segmento?

Jogar para a platéia é muito bom, mas a história e o passado mostram a verdadeira intenção do vereador que é apenas “parecer” que discorda da atual gestão para ver se melhora o seu índice de aprovação para as próximas eleições. A primeira resposta a população já deu nas urnas, o seu candidato a deputado federal teve uma votação pífia e vergonhosa na cidade.

Portanto, o vereador precisa  decidir se vai ficar em cima do muro, se vai ser situação ou se vai aderir a oposição. Atualmente, é muito difícil se manter posições dúbias.

 pg fernando resende

6 de janeiro de 2015 às 16:43h

Câmara Municipal de Chã dá posse ao novo presidente

10404175_741202399310184_7091598959710471465_n

Gilvan Pereira de Lima, mas conhecido como Gilvan Bolão, tomou posse ontem como presidente da Casa Paulo Viana de Queiroz pela terceira vez. Antes, em mandatos anteriores, ele já tinha sido presidente por duas vezes.

10915211_741202365976854_303616934977003022_n

Prestigiaram o seu retorno a direção do legislativo, muitos amigos e convidados, além de seus familiares.
O vice prefeito de Gravatá, Rafael Prequé, destacou a singeleza daquele ato, onde o que se viu foi uma expressão clara da democracia. Vereadores da oposição tiveram o direito de fazer a sua chapa e disputar a presidência da câmara, terminada a eleição estávamos todos unidos e trabalhando por Chã Grande. Bem diferente do que aconteceu em Gravatá, onde o presidente da câmara deu um golpe na oposição assumindo a presidência de forma antecipada.
Já o deputado estadual Joaquim Lira, disse que compareceu àquela casa por dois motivos: o primeiro por ser amigo de Bolão e o segundo para reafirmar seu compromisso com Chã Grande, lembrando a todos que depois da eleição era a quinta vez que voltava ao município e tinha certeza que nenhum dos que foram votados tinham voltado tantas vezes.
O prefeito Daniel Alves destacou a importância da câmara na aprovação de projetos de interesse da população e citou escadarias, muros de arrimo e pavimentação que serão feitas na cidade.
Gilvan Pontaleão disse que será necessário que o prefeito, sua bancada e o deputado Joaquim Lira tragam benefícios para a população que a oposição saberá diferenciar e apoiar medidas que melhorem a vida do povo.
Gilvan Pereira (Bolão, disse que voltava a direção daquela casa reafirmando seu compromisso de trabalhar por Chã Grande e sabia que esse era o desejo de todos.

10922506_741202392643518_7383974404603795204_n

 

10891761_741202372643520_2710463501985606075_n