26 de janeiro de 2015 às 08:51h

Quem será o candidato de Joaquim Neto? Fátima Andrade ou Léo do Ar?

joaquim leo e fatimaQuando falo que o ex-prefeito Joaquim Neto vai indicar a sua esposa Fátima Andrade como candidata a prefeita em 2016, caso a candidatura dele não consiga o registro, até ele discorda. Mas, quando analisamos várias situações envolvendo Joaquim Neto e seu grupo, constatamos que estamos certo e que a candidata será Fátima Andrade.

Ainda ontem na festa de São Sebastião em Uruçu Mirim estava Joaquim Neto acompanhado de sua esposa Fatima, do vereador Léo do Ar e de mais um bocado de aliados seus. Em nenhum momento o ex-prefeito se referiu ao vereador Léo do Ar, seja lá na festa, seja na sua página no facebook.

Entretanto, em todos os lugares apesentava a sua esposa Fátima, como se ela estivesse na Europa há muito tempo, como se ninguém a conhecesse e como se ela tivesse voltado para Gravatá agora há pouco.

Na sua página, mesmo ao lado do vereador Léo do Ar, o ex-prefeito fez questão de dizer: “Prestigiando procissão de São Sebastião em Uruçu Mirin com minha esposa Fatima Felix Andrade Andrade e amigos!!!” com link para página do facebook dela.

Não houve nenhuma citação  ao vereador Léo que ficou no “Ar” parecendo papagaio de pirata.

Por isso, queeu disse a Léo , “Se você quiser ser candidato a prefeito, só se for fora do PSDB, porque no PSDB você nunca vai conseguir”. Já se ele só pensa na reeleição, então está tranquilo.

Tudo isso reforça a minha afirmação: A candidata de Joaquim Neto é Fátima Andrade a sua esposa.

25 de janeiro de 2015 às 06:15h

Prefeitura de Gravatá desconta dos servidores e não repassa para o Instituto de Previdência da categoria

Sindicato dos Servidores de Gravatá denuncia apropriação indébita da prefeitura

Nota publicada pelo Sindsgra informa que a atual gestão vem descontando contribuições dos salários dos servidores e não repassa para a entidade responsável pela administração desses recursos caracterizando apropriação indébita.

Segundo o órgão defensor da classe em reunião ocorrida entre o Sindicato dos Servidores de Gravatá, o Sindicato dos Professores de Gravatá e Associação Municipal dos Agentes Comunitários de Saúde e o Instituto de Previdência dos Servidores de Gravatá – Ipseg constatou-se o não repasse de mais de R$ 2 mi, dos quais 50% foram descontados dos salários e desviados o que caracteriza apropriação indébita.

Para sanar o problema o Sindicato entrará com ação junto ao Tribunal de Contas do estado de Pernambuco, ao Ministério da Previdência Social, ao Ministério Público estadual e ao Ministério Público federal denunciando as irregularidades e cobrando o depósito imediato do montante que foi retirado dos servidores e não foi repassado e também a percela da prefeitura que também não foi depositada.

Sem esse depósito os aposentados ficam sem condições de receberem seus proventos e impede novas aposentadorias por falta de caixa. Para o presidente do sindicato a situação é muito mais grave por que o valor total devido pela municipalidade já passa dos R$ 500 milhões pelo cálculo autorial, o que vai inviabilizar as aposentadorias futuras e prejudicar a atual.

Neste ponto ele concorda com o secretário de imprensa da prefeitura que disse no seu blog que a administração está um caos, ou seja, o próprio auxiliar do prefeito reconhece que a atual gestão está muito complicada com várias denúncias de corrupção e mais essa agora de descontar dos salários dos servidores e não repassar para o Ipseg.

Leia a Nota na íntegra:

GESTÃO BRUNO MARTINIANO JÁ DEVE R$ 2.045, 853, 09

AO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL.

Nestes dois anos de gestão, o governo municipal de Gravatá já acumula valor milionário pela falta de repasses ao IPSEG.

O Instituto de Previdência municipal de Gravatá (IPSEG), realizou na tarde de ontem (23), a primeira reunião informativa com entidades de classe sobre a real situação da Previdência municipal de Gravatá.

No momento, além das três entidades (SINDSGRA, SIPROG e AMACEG), estavam presentes: a diretoria executiva do IPSEG, os departamentos de contabilidade e jurídico do instituto, os conselheiros e o consultor de gestão dos dois sindicatos.

A gestão do instituto de previdência, apresentou documentos sobre a atual situação financeira, de acordo com a pauta proposta pelo SINDSGRA, onde de imediato, detectou-se problemas na gestão desses dois primeiros anos de gestão.

UMA RADIOGRAFIA DO IPSEG ENTRE 2.013 E 2.014:

2.045.853,09 é o valor atual que o prefeito Bruno Martiniano deixou de repassar para o IPSEG no ano de 2.014. A Lei Municipal 3.302 de 06 de dezembro de 2.004, no artigo 15, paragrafo 4°, estipula até o segundo dia útil do mês a data de repasse das contribuições à Unidade Gestora do RPPS (IPSEG). Neste valor, está incluído em torno de 50%, das contribuições dos Servidores que são descontados na folha de pagamento e não foram repassados para as suas futuras aposentadorias. Além dos constrangimentos que os atuais aposentados estão passando. 
O SINDSGRA solicitou através do oficio n° 005/2.015 os valores das contribuições e das patronais repassadas ao IPSEG nos anos de 2.013 e 2.014, o instituto ainda não se pronunciou sobre os repasses do ano de 2.013. 
As próximas ações, serão ações junto ao Tribunal de Contas do estado de Pernambuco, ao Ministério da Previdência Social, ao Ministério Público estadual e ao Ministério Público federal nas próximas semanas para sanar este e outras problemas.

Uma outra reunão será marcada para os próximos meses para que as entidades possasm ter ainda mais informações sobre a situação geral do instituto, e que apresente sugestões que solucionem o caos da autarquia.

Secretaria de Comunicação e Relações Públicas do SINDSGRA.

24 de janeiro de 2015 às 15:46h

Missão impossível do Secretário de Imprensa de Gravatá: defender o prefeito

Por mais que use a sua verborreia para tentar denegrir a imagem dos vereadores que não abaixam a cabeça para o prefeito e votam pelo que é certo o secretário de imprensa de Gravatá não conseguirá. Antes ele falava que era a oposição que queria acabar com o prefeito, que queria prejudicar a prefeitura e a população, agora esse discurso furou porque os vereadores da situação se uniram aos vereadores da oposição e derrotaram o projeto errado enviado pelo executivo.

Sem poder acusar a oposição o secretário de imprensa agora diz que os vereadores votaram errado. Ele só inventa essa balela porque Fernando Resende, João Paulo, Angélica de Ademir e Elson Campos que são do lado do prefeito aceitaram a argumentação da bancada de oposição, porque entenderam que a prefeitura queria aprovar um projeto com irregularidades para prejudicar o povo e então concordaram com a apresentação de uma emenda modificativa que garante a prefeitura R$ 16 milhões para saldar os compromissos do mês de janeiro.

Sem argumento e sem discurso para acusar a oposição de boicote ele publicou no seu blog que a câmara votou errado.  Na verdade o que estava errado era o projeto da prefeitura e os vereadores fizeram as modificações necessárias e agora a população vai poder os benefícios, os funcionários vão poder receber seus salários e os fornecedores os seus créditos.

Isso só foi possível porque oposição e situação se uniram para não dar um cheque em branco ao prefeito e ele desrespeitar à Câmara como vem fazendo, segundo afirma o vereador Luiz Prequé. Para mostrar que os vereadores votaram corretamente eles dizem que o orçamento é de R$ 200 milhões, se dividir por 12 vai dar exatamente os R $ 16 milhões que a Câmara aprovou, e assim a cada mês o prefeito solicita um crédito especial e a câmara aprova, o que vai facilitar a fiscalização por parte dos vereadores e o controle por parte da população.

Logo, está mais uma vez comprovado o erro do secretário de Imprensa que para justificar o seu cargo e defender o prefeito aceita até mistificar uma situação querendo passar para a população uma imagem falsa da realidade. O que foi aprovoado é legal o prefeito é que não quer ser controlado.

 

 

 

23 de janeiro de 2015 às 06:54h

Prefeito manda projeto errado novamente e vereadores fazem modificações

Parece brincadeira mas não é. Mais uma vez o prefeito embute o projeto do orçamento anual que veio errado para a Câmara, dentro do pedido de crédito especial para ser aprovado pelos vereadores.

A ideia da prefeitura era aprovar de forma indireta o orçamento no valor de R$ 200 milhões para ter nas mãos um cheque em branco, tendo o direito legal de remanejar 30% desse valor, ou seja, R$ 60 milhões, sem pedir autorização à Câmara.

Os vereadores descobriram a manobra procuraram especialistas e então optaram por uma emenda modificativa aprovando um crédito especial de pouco mais R$ 16  (dezesseis milhões) para o prefeito resolver as pendências do mês de janeiro.

Com essa medida os vereadores se resguardam de não aprovarem um projeto errado e depois serem acusado de prejudicar o município. Além disso, o prefeito não fica como um soberano fazendo o que quer e desrespeitando os vereadores, porque todos os meses ele terá que solicitar a aprovação de créditos especiais para tocar a máquina administrativa.

Cabe destacar que ele terá que explicar detalhadamente onde serão investidos os recursos que estão solicitados, evitando desvios, fraudes e outros crimes cometidos nas gestões e que trazem prejuízos para os cofres públicos.

Portanto, a prefeitura já pode honrar os seus compromissos do mês de janeiro, deixando claro que os débitos antigos nada tem a ver com essa situação, conforme foi denunciado pelo vereador Júnior de Paulo, na sua fala na tribuna da Câmara.

22 de janeiro de 2015 às 11:20h

Quem quer Waldemar?

Quem mais tem interesse na candidatura de Waldemar Borges a prefeito de Gravatá é um empresário de comunicação que já foi do lado de Joaquim Neto, depois foi para Bruno Martiniano e agora não tem mais para onde ir.

Por isso trabalha nos bastidores para consolidar o nome de Borges como cabeça numa chapa que traria ele como vice a fim de combater o discurso de que Waldemar é um forasteiro.

Na verdade esse “poderooosooo” empresário gostaria mesmo era de ser o escolhido para disputar a prefeitura, mas em função da sua simpatia ficaria difícil computar todos os apoios que receberia.

Consciente dessa situação ele prefere apoiar um nome de fora, porque aí vai ganhar espaço na futura gestão caso ele (Borgws) venha a ser eleito.

Se conseguir emplacar seu nome na vice, caso a candidatura de Wal vingue, já estará de bom tamanho.

22 de janeiro de 2015 às 09:06h

Waldemar Borges é candidato a prefeito de Gravatá?

Só comentarei a candidatura de Waldemar Borges a prefeito de Gravatá no momento em que ele fizer a transferência do seu domicílio eleitoral.

Ele só vai poder ser candidato se votar na cidade. O prazo dele termina em Setembro de 2015, um ano antes da eleição.

Portanto, não vou perder tempo discutindo um assunto que só existe na cabeça de pessoas que só querem entregar a cidade nas mãos de forasteiros.

A população já deixou claro que agora quer um gravataense na prefeitura como Vitória que tem um vitóriense e tantas outras cidades que elegem os filhos da terra para dirigirem os seus municípios.

Gravatá não é laboratório nem vai servir de cobaia para políticos em fim de carreira que não realizaram os seus desejos de serem prefeitos nas cidades onde nasceram e querem fazer turismo eleitoral.

O turismo que queremos aqui é o turismo que gera renda e não o turismo que tira a nossa renda como é o caso da atual administração que tem apoio do deputado Waldemar Borges.

Ele apóia Bruno Martiniano, se não apóia deixe isso claro para a população. E se ele quer ajudar Gravatá como disse lute pelo teleférico que não veio, pela conclusão da estrada de Manda caruaru, pela estrada de Avenças,  tudo prometido por ele e que ficou só no papel.

De conversa o povo de Gravatá está cheio o que falta é água porque administração para dar em água (salobra) basta essa. Deputado seja candidato em Recife.

O senhor já viu que suas lideranças não têm voto, todos eles juntos – um verdadeiro exército – só lhe deram pouco mais de 4 quatro  mil votos.

A vez agora é de um gravataense.

 

22 de janeiro de 2015 às 08:48h

Blog do secretário de imprensa corrige informação

O blog do secretário corrigiu a sua nota e republicou matéria com o motivo correto da devolução do projeto: ajuste na redação. O que significa que o projeto foi enviado de forma errada por isso os vereadores não fizeram a votação.

Assim a verdade é restabelecida e depois da correção o projeto volta à câmara para ser analisado com muita calma porque tem sido  praxe da prefeitura enviar projetos errados para a Câmara o que faz com que os vereadores sejam co – responsáveis por irregularidades.

Assim é mais do que salutar o papel da oposição que não se dobra ao executivo defendendo os interesses do povo de Gravatá.

22 de janeiro de 2015 às 07:34h

Blog do secretário de imprensa continua errado

O motivo da devolução do projeto do pedido de crédito especial foi que ele está errado.

Os vereadores da oposição descobriram o erro, mostraram aos seus colegas da situação e eles concordaram em devolver para que a prefeitura faça a correção.

Portanto, agora os vereadores aguardam o retorno do projeto para que seja analisado e votado. Se estiver certo a oposição vota a favor se estiver errado a oposição vota contra.

O resto é conversa da vaca que está indo para o brejo…..

 

21 de janeiro de 2015 às 18:21h

Vereador cobra explicações sobre obras de Posto de Saúde

O vereador Léo do Ar cobrou ontem na Tribuna da Câmara explicações a respeito das obras do Posto de Saúde da Área Verde cuja placa só foi colocada agora e cujas obras deveriam ser iniciadas em novembro.

Segundo o vereador as obras vão custar aproximadamente R$ 50 mil e vão durar sete meses. Que obras são essas que vão demorar tanto. Neste momento ele ironizou o presidente da Câmara, Pedro Martiniano que gastou R$ 38 mil na reforma da cozinha do legislativo e fez em apenas 15 dias.

Depois o vereador pegou o jornal da prefeitura e disse que aquele material era uma piada, a maior piada do ano. S fez graves denúncias sobre a saúde de Gravatá.