21 de janeiro de 2015 às 09:27h

Prefeitura de Gravatá trocou uma Ferrari por uma bicicleta sem guidon

Foi assim que começou a denúncia do vereador Luiz Prequé sobre a troca de uma área nobre por uma área sem valor.

Dessa vez o vereador Luiz Prequé acusou a atual gestão de causar prejuízos aos cofres públicos ao realizar a permuta de uma área nobre no loteamento Ponto Alto de Gravatá, por outra de inferior qualidade no mesmo loteamento. Segundo o vereador o prefeito trocou uma “Ferrari por uma bicicleta sem guidon”.

Disse o vereador que a prefeitura trocou 17 mil metros de um terreno de alta qualidade e supervalorizado por outro de baixa qualidade numa área alagada e com pouco valor de mercado. Além disso esse projeto errado e irregular mostra lotes que não existem conforme certidão do cartório, caracterizando-se como fraude e sendo necessário uma ação urgente da justiça.

Na ocasião 10 vereadores da bancada de situação aprovaram o projeto sem saber das irregularidades e alguns se mostraram surpresos com a denúncia do vereador Luiz Prequé e querem que o executivo refaça o projeto para corrigir os danos ao patrimônio e resguardar os vereadores que votaram a favor sem ter conhecimento da existência de lotes fantasmas nos processos.

No projeto de Lei 014/2104 a prefeitura apresenta os lotes 58,59,60,61, 62 e 63 da Quadra O3 do loteamento Ponto Alto de Gravatá como parte integrante do processo de permuta da área, entretanto, a certidão emitida pelo cartório diz que esses lotes não existem, caracterizando um erro grave  que coloca sob cheque a lisura da transação.

Ainda segundo o vereador Luiz Prequé os vereadores Júnior de Obras e Sônia Souza entraram com ação popular contra a prefeitura a fim de evitar prejuízos ao município e o vereador Luiz Prequé também denunciou ao Ministério Público o ato lesivo ao povo de Gravatá.

Procurado pela nossa reportagem o presidente da Câmara Municipal de Gravatá e irmão do prefeito Bruno Martiniano, que colocou o projeto em votação e também votou, mesmo sem necessidade, porque já tinha nove votos, não quis se pronunciar e disse: “não quero falar nada não”.

O 2º secretário da câmara vereador João Paulo Lemos, disse que espera que o executivo refaça o projeto, porque é impossível aos vereadores saber que erros gritantes constaram do projeto em questão e que fica difícil o vereador ter que ir no cartório pedir certidão para saber se os lotes estão corretos, se existem e se é legal o que está sendo feito.

projeto 014

Lotes aparecem no projeto mas não existem no loteamento

Portanto, a cidade de Gravatá vive mais um momento negativo na sua história política com mais um escândalo envolvendo o atual gestor, onde área nobre é trocada por área sem valor.

projeto014-2

Cartório comprova a não existência dos lotes

 

18 de janeiro de 2015 às 09:27h

Prefeitura de Gravatá quer acabar com direitos dos servidores municipais

O Sindicato dos Servidores Municipais de Gravatá – SINDSGRA, informa que o executivo elaborou minuta de projeto de lei que extingue benefícios da categoria como quinquênio e acúmulo de adicionais. Como jornalista da secretaria de imprensa da Prefeitura do Recife onde passei mais de 35 anos, estranho a questão da intenção da municipalidade de retirar conquistas já asseguradas pelo direito adquirido.

Uma destas conquistas diz respeito ao quinquênio, um acréscimo salarial de 5% sobre seus vencimentos, após cada cinco anos de trabalho. Assim alguém como eu que já tem 35 anos de serviços prestados, tem direito a sete quinquênios o que representa uma melhoria no nível salarial.  É preciso que o sindicato verifique a constitucionalidade da matéria, pois a meu ver tal medida fere a consitucional de 1988, que garantiu a todos os servidores o direito ao quinquênio e a outros benefícios.

Quanto a questão do acúmulo de adicionais, essa me parece ser de decisão do executivo, mas também cabe averiguação pois nenhuma lei pode ser feita para causar prejuízos sobre direitos adquiridos e principalmente retroagir para ocasionar danos irreparáveis a terceiros e mudar o padrão de vida para pior é um dano irreparável.

Espero que os servidores se unam e saiam vencedores de mais este imbróglio.

Leia a Nota do SINDSGRA

Servidores,

Pedimos a vocês que leiam atenciosamente a esta publicação, curtam e compartilhem, para que esta informação chegue a até o seu vereador para que ele se senbilize e não vote nesse projeto que será apresentado pela gestão municipal.
Nós funcionários públicos do município de Gravatá não podemos pagar por essa conta!

CURTAM e COMPARTILHEM.

Secretaria de Comunicação e Relações Públicas do SINDSGRA.

nota do sindsgra

18 de janeiro de 2015 às 08:32h

Vereador denuncia falta de pagamento para anestesista do Hospital de Gravatá

O vereador da oposição Leo do Ar fez mais uma denúncia ao MP contra a atual administração. Dessa vez o motivo foi a falta de pagamento para o anestesista que trabalha em conjunto com um médico chamado Adauto. Segundo o vereador o anestesista ao chegar ao hospital para trabalhar e saber que não receberia o seu salário, deu um prazo de duas horas para a secretaria de saúde resolver o problema, como a secretaria não resolveu ele abandonou o serviço e foi embora, cancelando as cirurgias.

Duas situações de irresponsabilidade se verificam nesta denúncia, a primeira sem dúvida a falta de compromisso da atual gestão com a saúde do município ao não honrar o pagamento dos profissionais de saúde e de outras áreas. Ninguém quer trabalhar de graça, principalmente quando se sabe que existem verbas para saldar os débitos funcionais. A segunda, diz respeito ao comportamento do profissional. No nosso entender ele deveria realizar as suas tarefas e auxiliar nas cirurgias necessárias, pois o primeiro compromisso de um profissional de saúde é com a saúde do povo, de acordo com o seu juramento, e não com o seu bolso.

Mas, no nosso “Brasile” tudo é permitido. Chamei de Brasile propositadamente, porque o Brasil que quero não é este.

Página do vereador com a denúncia

saude

17 de janeiro de 2015 às 08:33h

“NINGUÉM ENGANA A TODOS POR TODO TEMPO…”

Alguns enganam poucos por pouco tempo…

“NINGUÉM ENGANA A TODOS POR TODO TEMPO…”

A conclusão da queda do avião que matou o Ex-Governador de Pernambuco, o Presidenciável Eduardo Campos e parte de sua equipe é ridícula, infunda, sem provas matérias, ou laudo técnico pericial conclusivo, omisso de quesitos essenciais, um tapa buraco, um remendo, um cala boca!!!!

INACEITÁVEL!!!!!!

É notória, minha atividade na advocacia criminalista em inúmeros casos de repercussão Nacional, e em toda minha jornada jurídica criminal (NUNCA VI UMA CONCLUSÃO TÃO CONTURBADA, PREMATURA E VAZIA).

O povo brasileiro pede e merece resposta….

Perdemos o maior líder político e homem publico de nossa geração, um líder de respaldo mundial…

Clamo a imprensa Nacional e Mundial, e ao povo brasileiro, sua participação no acompanhamento das investigações, apurações em especial velando por uma conclusão justa, sensata, legal, embasada em todas as normas, termos e técnicas periciais existentes!

“Não vamos desistir do Brasil”

JUSTIÇA!!!!

Recife 17/01/2015.

André HG Fonseca
Advogado criminalista – Conselheiro Titular da OAB/PE – VITÓRIA.

Alguns enganam poucos por pouco tempo...

"NINGUÉM ENGANA A TODOS POR TODO TEMPO..."

A conclusão da queda do avião que matou o Ex-Governador de Pernambuco, o Presidenciável Eduardo Campos e parte de sua equipe é ridícula, infunda, sem provas matérias, ou laudo técnico pericial conclusivo, omisso de quesitos essenciais, um tapa buraco, um remendo, um cala boca!!!!

INACEITÁVEL!!!!!!

É notória, minha atividade na advocacia criminalista em inúmeros  casos de repercussão  Nacional, e em toda minha jornada jurídica criminal (NUNCA VI UMA CONCLUSÃO TÃO CONTURBADA, PREMATURA E VAZIA).

O povo brasileiro  pede e merece resposta.... 

Perdemos o maior líder político e homem publico de nossa geração, um líder de respaldo mundial...

Clamo a imprensa Nacional e Mundial, e ao povo brasileiro, sua participação no acompanhamento das investigações, apurações em especial velando por uma conclusão justa, sensata, legal, embasada em todas as normas, termos e técnicas periciais existentes!

"Não vamos desistir do Brasil"

JUSTIÇA!!!!

Recife 17/01/2015.

André HG Fonseca
Advogado criminalista - Conselheiro Titular da OAB/PE - VITÓRIA.
17 de janeiro de 2015 às 08:19h

Raminho Coiffeur pergunta se Rafael Prequé compôs a chapa de Bruno na hora certa ou se rompeu na hora certa.

Rafael rompeu na hora que seu grupo e o povo de Gravatá pediu. Político que é político não decide sozinho.

Eu entendo que quando Rafael jovem líder político de Gravatá, com a política no sangue e no foco de sua vida, determinado a se tornar um defensor das minorias da cidade, decidiu fazer parte da chapa de Bruno Martiniano, foi por conta da decisão do grupo político do qual ele faz parte que é o PSB, partido do ex-governador Eduardo Campos e do atual governador Paulo Câmara.

Ao integrar a chapa que ganhou a prefeitura o atual vice prefeito de Gravatá, tinha a certeza  de que o que fora prometido à população, seria realizado e a cidade de Gravatá entraria num novo clima administrativo onde a honestidade e a transparência estariam presentes em todos os atos da atual gestão.

Entretanto, não foi isso que aconteceu! O que assistimos foi a decadência moral e política do município de Gravatá que assistiu estarrecida a uma série de atos irregulares, que foram devidamente denunciados pelos vereadores da oposição solicitando investigação para a formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, prevaricação, enriquecimento incompatível com a renda e uso de laranjas.

Diante desse quadro caótico e antiético não restou outra opção ao vice prefeito de Gravatá que não fosse a de romper com o atual gestor, somar forças junto com a oposição e lutar para que a justiça cumpra o seu papel de punir e impedir novas ações que atentem contra o patrimônio público.

Assim, por solicitação de amigos e correligionários o vice prefeito aceitou disputar a eleição para deputado federal com o objetivo de apresentar as suas propostas para o povo de Gravatá, colocando o seu nome à disposição de todos para dar uma resposta a falta de respeito, a falta de compromisso, a falta de ética da atual administração.

Por tudo isso, foi que tivemos o rompimento do vice prefeito com o atual prefeito, o que foi muito bem aceito pela população que transformou Rafael Prequé no deputado mais votado da cidade, vencendo inclusive o candidato do ex-prefeito Joaquim Neto e do atual prefeito Bruno Martiniano.

Esperemos 2016! Vamos ver se a população vai avalizar todas as irregularidades cometidas pelo atual prefeito, se vai querer de volta um ex-prefeito que tem mais processos do que o arquivo da justiça ou se vai optar por um novo jeito de fazer política que se caracteriza pela busca de projetos para a cidade e não por uma briga de esquina entre vermelho e azul que só faz prejudicar o município.

Dessa forma, caro Raminho, blogueiro de um veículo que merece todo respeito da população, esperamos ter respondido às suas questões sobre a composição e rompimento do atual vice prefeito de Gravatá, Rafael Prequé com o atual gestor.

16 de janeiro de 2015 às 08:08h

Posto Odontológico está interditado sim

interdiçãoGravatá está virando comédia, pra não dizer tragicomédia, tão em voga nos melodramas globais.

Publica-se em blogs locais uma notícia de interdição nos postos de Saúde Ana Caminha I e II e fotos comprovam a colocação de um adesivo onde se lê interdição, portanto, interditado.

No site oficial da Prefeitura de Gravatá, informa-se que o posto o consultório odontológico foi fechado para higienização e limpeza e não fala de interdição, dizendo que nos próximos dias volta a funcionar.

No blog do secretário de imprensa a nota da prefeitura é repetida e o editor ainda dá a informação de que quem disse que estava fechado enganou-se.

Ora, o posto está fechado, interditado e sem funcionar. E se é verdade o que afirma a secretaria de saúde e o secretário de imprensa então que se publique o relatório de avaliação da Vigilância de Saúde Sanitária que decretou a interdição do espaço para mostrar os motivos que levaram à interdição.

Outra informação que chama a atenção é que quem quiser ser atendido no posto odontológico tem que levar escova e toalha como se lê num cartaz que está na porta. Ora, se existe falta de higiene e é necessário esterilização, então é preciso saber se existe despesas da prefeitura com escovas e com toalhas para atendimento de pacientes  o consultório odontológico, o que no mínimo será estranho.

Portanto, o Posto Odontológico está interditado e não sabemos a gravidade do motivo.

15 de janeiro de 2015 às 11:49h

Presidente da Câmara é obrigado a devolver cargos aos vereadores da oposição

Numa decisão esdrúxula, politiqueira e inconstitucional o presidente da Câmara Municipal de Gravatá, vereador Pedro Martiniano, apropriou-se dos cargos comissionados destinados aos gabinetes dos vereadores de oposição, não nomeando os assessores oposicionistas. Pela lei cada vereador, independentemente de ser da oposição ou da situação tem direito a dois assessores.

O presidente da casa numa atitude mesquinha e ilegal não permitiu a nomeação dos assessores dos vereadores da oposição o que provocou uma ação de caráter mandamental – processo 000025-07.2014 8 – 17.0670, que difere de outras ações, por ser uma ação de cunho constitucional (tipo mandado de segurança) e de cumprimento imediato após a decisão da justiça.

Com a ação impetrada na 1ª vara do TJPE, comarca de Gravatá, eles foram buscar o direito líquido e certo de nomear os seus assistentes de acordo com o que determina o regimento interno da casa legislativa.

Em 19 de setembro de 2014 a justiça determinou que o presidente da câmara devolvesse os cargos aos gabinetes oposicionistas e nomeasse os indicados pelos parlamentares. A decisão não foi cumprida pelo vereador Pedro Martiniano que entrou com um pedido de suspensão da decisão, que foi negado pelo tribunal, mantendo a decisão de cumprimento imediato.

Como não cumpriu a decisão os vereadores da oposição entraram com Pedido de Intervenção Judicial na câmara, afim de forçar o cumprimento da decisão judicial que após quatro meses vem sendo desconsiderada, caracterizando “latente desrespeito a ordem judicial” conforme explica documento de sentença promulgado em 14.01. 2015.

Em função disso veio a decisão final onde a justiça exige que o presidente da câmara cumpra em 48 horas a determinação judicial, nomeando os chefes de gabinetes e assessores dos vereadores de oposição, sob pena de decretação de improbidade administrativa e de intervenção na Câmara Municipal de Vereadores.

Em trecho do documento a juíza Patrícia Caiaffo de Freitas Arroxelas Galvão diz: “ Inadmíssivel se mostra a postura do impetrado em não cumprir a decisão judicial, o que caracteriza ato de improbidade administrativa que ofende os princípios da administração pública”.

Continuando ela afirma: “…uma das medidas possíveis se configura, inclusive, no afastamento do Poder daquele que descumpre a ordem judicial.

Cabe destacar que o não cumprimento da decisão provoca multa de R$ 5.000, diária, do salário daquele que descumpre a ordem judicial, mesmo que ele tenha recorrido mais uma vez como foi o caso dele que entrou com pedido de reconsideração, também negado. Como neste caso o cumprimento da sentença é de caráter imediato, o presidente da Câmara corre o risco de sofrer intervenção, ser afastado do Poder Legislativo, ser condenado por improbidade administrativa, pagar multa e ficar inelegível, ou seja, pode acontecer “tudo”, inclusive “nada”.

Vamos aguardar a decisão do presidente da Câmara Municipal de Gravatá cujo prazo de 48 horas só começa a contar a partir do momento que ele for intimado, o que até agora não aconteceu.

13 de janeiro de 2015 às 11:36h

Gravatá perde espaço no mercado imobiliário

Ninguém mais tem dúvidas de que a cidade de Gravatá deixou de atrair investimentos para o setor imobiliário como aconteceu até o ano de 2012.

Sem mudanças no código de obras, sem transformação no Plano Diretor, sem investimento em infraestrutura básica, sem aplicação de recursos em projetos de mobilidade e de melhoria da circulação pelas ruas do município, não resta outra saída para o capital a não ser buscar outras oportunidades em outras cidades.

Como não existe espaço vazio em política, os prefeitos de outras localidades como Caruaru, Bezerros, Chã Grande e Vitória de Santo Antão passam a oferecer vantagens aos incorporadoras e investidores que se mudam para esses locais com toda a sua estrutura de pessoal, equipamentos, etc., dando uma impressão de abandono para Gravatá.

Outro grande problema diz respeito a falta de projetos turísticos nos últimos dois anos, onde um secretário fraco e incompetente, dominado por um prefeito autoritário e inconsequente acabou com a movimentação de visitantes, sob os olhos complacentes de um Conselho de Turismo omisso e subserviente.

Tudo isso somado e mais as denúncias constantes de corrupção da atual administração leva os novos empreendimentos para áreas mais promissoras.

A oposição precisa ficar unida, abandonar o discurso vazio e partir para a prática criando projetos de lei de iniciativa popular. E alguns líderes que ninguém nunca sabe de que lado estão também precisam se mobilizar e cobrar ações que tragam de volta o glamour, o respeito e a credibilidade que Gravatá merece.