No que pese existir como pousada de vaqueiros que tangiam gado para o sertão e aqui descansavam da longa viagem desde finais do século XVII e de ter a formação de vila desde o início do século XVIII, só no século XIX,  Gravatá conseguiu a sua emancipação política deixando de pentencer a Bezerros.

Chamada de terra dos Karawatás ou Croatá, palavra indígena dos Tapuias da Serra ou Carapotós, que significa planta que fura, Gravatá tem o privilégio de se encontrar na Chapada da Borborema, que significa água que borbulha, também na linguagem dos índios que habitavam a região. Gravatá foi fundada por Justino Carreiro de Miranda, vaqueiro que montou a sua fazenda onde hoje é o centro da cidade.

 

Para homenagear esta cidade bonita assista ao vídeo produzido pela prefeitura com poesia de Tomaz de Aquino e música de Don Tronxo.