5 de outubro de 2018 às 11:55h

Hoje é o dia do empreendedor, saiba como um Panda conseguiu voar azul

PANDA BETING: “A RECEITA DE SUCESSO DA VIDA É TRABALHAR COM O QUE SE AMA”

Gianfranco Beting, o Panda: apaixonado por aviação e empreendedor do setor (Foto: Marcus Steinmeyer)

N

O empresário, fundador da Azul, é tão apaixonado por aviação que a primeira palavra que disse foi “Varig”. Em entrevista, ele fala de seu trabalho como consultor e de sua vida morando no exterior

05.10.2018|Por

Não é preciso ser adivinho para saber o que o consultor de marketing Gianfranco Beting, conhecido como Panda, faz, pensa – e quem sabe, até sonha – neste exato instante.

Com certeza, ele está entrando ou saindo de aviões, enquanto cria uma nova marca para uma empresa aérea. Isso não quer dizer que se trate de um sujeito previsível. Panda, na verdade, é maníaco por um par de asas.

Diz a lenda que as três primeiras palavras que balbuciou foram “Varig, Varig, Varig!”, trecho de um jingle da antiga companhia brasileira de aviação. Note-se que a testemunha dessa história foi o pai de Gianfranco, o jornalista Joelmir Beting, falecido em 2012.

Não por acaso, Panda foi um dos fundadores da Azul, para quem bolou toda a estratégia de marketing. Em 2016, contudo, promoveu uma guinada na sua vida: mudou-se para Miami e abriu uma consultoria na área de branding. Em entrevista a PEGN, ele compara as experiências de empreender dentro e fora do Brasil e aponta as oportunidades do setor da aviação.

Como você se tornou um dos cofundadores da Azul?
Um amigo publicitário me disse que uns gringos estavam vindo ao Brasil para fundar uma companhia aérea. Ele não se lembrava do nome das pessoas, mas me perguntou: “Já que você entende tudo de aviação, quer conhecer os caras?”.

Eu topei. Numa quinta-feira, em 2008, toca a campainha da minha casa. Abro a porta e quem estava lá? David Neeleman [o principal idealizador da Azul], o cara, em pessoa. Quase cai para trás.

Naquela época, ele já era uma referência para você?
Sim, claro. Eu acompanhava a trajetória do David havia anos, vendo tudo o que fazia e o quanto inovava no setor. Já tinha lido três livros sobre ele. Em 2000, eu viajei pela JetBlue [companhia criada por Neeleman] nos Estados Unidos.

Na ocasião, liguei para minha mulher e disse: “Acabei de voar no futuro da aviação”. Fiquei fascinado pela forma como a empresa trabalhava a marca. Para mim, ele era um pop star. Daí o susto que tomei. Imagine que você diz para o coroinha que ele vai receber a visita de um padre argentino. Quando ele abre a porta, quem está lá? Francisco, o Papa.

Como foi o encontro?
Ele entrou e foi dizendo: “Você tem 45 minutos para vender seu peixe”. Cinco horas depois, concluiu: “Olha, Panda, eu acredito que a gente não pode ensinar paixão para ninguém. E a sua relação com aviões não é de paixão. Ela é doentia. Você é maluco, precisa ser levado para um hospital, internado. Eu nunca vi ninguém tão doido por aviação quanto você. Quer ser meu diretor de marketing?”.

Topei na hora. No dia seguinte, fomos à Embraer. O David estava escolhendo o interior dos jatos que iria comprar. A nossa relação evoluiu de uma maneira muito rápida, sempre marcada por confiança mútua. É assim até hoje.

Como você ficou tão doente pela aviação?
Veio do berço. Meu pai sempre dizia que, um dia, estávamos passando pela avenida Rubem Berta, ao lado do aeroporto, em São Paulo, no fusquinha verde que tínhamos, quando eu disse as minhas primeiras três palavras: “Varig, Varig, Varig!” [refrão de um antigo jingle da companhia aérea].

E sempre fui o mais nerd dos nerds. Quando criança, eu ficava em casa montando aviãozinho de plástico, imaginando que era um piloto da Segunda Guerra Mundial. Muitas vezes, grudava na janela esperando um avião passar. Gostava de adivinhar qual era o modelo só pelo barulho do motor.

Coisas que qualquer criança faria.
Claro. Aos 9 anos, a situação evoluiu. Meu pai me apresentou ao Omar Fontana, o dono da Transbrasil.

O Omar era um sujeito grandão, como se dizia, um tipo exuberante. Ele me viu e começou a me sabatinar. Perguntou o nome dos principais bombardeiros ingleses da Segunda Guerra, onde ficavam as asas de determinado avião em relação à fuselagem.

Enfim, coisas desse tipo. Acertei tudo. Pois ele me pegou pela mão e fomos conhecer o hangar da Transbrasil. A partir daí ele nunca mais desgrudou de mim. E eu me apaixonei por ele e pela empresa, onde trabalhei nos anos 90. O Omar Fontana me ensinou tudo o que sabia, como se eu fosse o filho que nunca teve, já que tinha quatro filhas.

Você também foi o primeiro funcionário da Azul.
Sim. A companhia operou por três meses na minha casa, até se mudar para Barueri, na região metropolitana de São Paulo. Eu desenhei os uniformes, o logotipo, a pintura dos aviões e criei a formulinha secreta do padrão de prestação de serviço da empresa.

Existe uma fórmula secreta para o atendimento da Azul?
Não é secreta, mas tem uma fórmula. É a seguinte: você olha para o cliente e pensa na palavrinha “OPA”. Ela quer dizer “observe, perceba e atenda”. Ou seja, observe quem é a pessoa, perceba quais são as suas necessidades e a atenda da melhor maneira possível.

Agindo assim, o relacionamento com os passageiros fica mais leve, menos engessado. Nesse campo, é preciso ter certa flexibilidade. Por exemplo, é claro que idosos devem ser tratados por “senhor” e “senhora”.

Mas, e se for um tipo surfista um pouco mais velho? Qual o problema de tratá-lo de uma maneira mais informal? Tem companhia aérea no Brasil que exige até que crianças sejam chamadas de “senhor” e “senhora”. Minha ideia era fazer algo com uma identidade diferente.

Pensei em um modelo de serviço mais humano, mais próximo das pessoas. Esse é um estilo mais brasileiro. Nós somos mais informais. Até hoje o OPA é ensinado na Universidade Azul, responsável pelo treinamento das tripulações da companhia.

E como você estruturou um projeto desse tipo?
O David veio com aquele sotaque americano e disse: “Você ter muitas ideias boas, por que não pensar em coisa criativa para a área de serviço?”. Isso era uma sexta-feira e perguntei quando ele queria ver o projeto pronto. “Segunda-feira”, foi a resposta.

Tentei argumentar, alegando que o prazo era muito curto, mas ele não deu bola. Falou que eu teria muito tempo para pensar no fim de semana. A ideia nasceu em um sábado à tarde e fiz um PowerPoint sobre o “OPA”. O objetivo era criar uma coisa genuína, que fosse abraçada pelos tripulantes. Falei para o David que deveríamos valorizar as pessoas. Mesmo porque ele tem uma formação religiosa forte, é um mórmon praticante, e já pensava assim também.

Há três anos, você decidiu sair do Brasil. O que aconteceu?
Eu estava muito chateado com a situação no país. O que mais me incomodava por aqui, e ainda incomoda, são os padrões morais e éticos. É essa leniência com o atraso, as filas duplas, as vantagens que as pessoas buscam a toda hora. No fundo, tudo isso compromete o país.

Acho um absurdo gente que pede desconto e diz que não quer nota fiscal. Para mim, quem faz isso merece ir para a mesma cadeia, em Curitiba, para onde estão indo algumas outras pessoas.

Mas foi a reeleição da Dilma Rousseff, em 2014, que selou a minha decisão. Nessa época, eu já tinha um imóvel em Miami. Minha mulher havia concordado com a mudança e fomos para lá com nossos dois filhos, hoje com 16 e 14 anos. O mais velho, aliás, quer ser piloto comercial. Nem imagino quem o influenciou.

Mas você já havia pensado em morar fora do Brasil?
Essa sempre foi uma possibilidade. Tanto é assim que meus filhos têm nomes “internacionais”, para facilitar uma eventual adaptação fora do Brasil. Eles se chamam Thomas e Martin.

O problema é que, quando estava resolvido que iríamos para Miami, o David me falou: “Quer sair do Brasil, gosta de bacalhau? Então vai morar em Lisboa. Estou comprando a TAP [a principal companhia aérea portuguesa]”. Mas minha mulher não quis saber de mudar de plano. Agora, moro na Flórida e vou todo mês a Lisboa, onde presto serviços para a TAP. É uma cidade fantástica, o melhor lugar do mundo para se viver.

Como foi a adaptação nos Estados Unidos?
Foi bem difícil. Durou 15 minutos! Na verdade, eu sempre gostei da mentalidade americana. As pessoas são muito focadas e eu, muito caxias. Gosto de honestidade, das coisas certas, bem-feitas.

Detesto a malemolência, a esculhambação, a preguiça, o jeitinho. Isso tudo me ofende, me afronta. Me incomoda ver que o Brasil é o país mais desperdiçado do mundo. Ele tem imenso potencial, mas o joga fora todo santo dia.

Chego aqui e fico angustiado. Vejo as paisagens, a música, e ninguém explora isso direito. A gente vai para lugares muito menos pródigos e as pessoas conseguem extrair coisas maravilhosas dali.

Pensa em voltar para o Brasil?
Não. Quero que meus filhos sejam educados em um sistema que é muito superior ao brasileiro.

1 de outubro de 2018 às 07:00h

Nasce o Jornal de Gravatá com Tomaz de Aquino e Joel Andrade

A cidade de Gravatá no Agreste de Pernambuco acaba de ganha o seu primeiro jornal virtual: o Jornal de Gravatá que vai ao ar todos os dias da 7 as 8 da manhã com repetição às 14 horas e às 20 horas nas redes sociais e das 13 às 14 horas na Rádio Popular FM 104,5.

Denominado Jornal de Gravatá e com diversos quadros na área cultural, política, econômica, social, etc, será apresentado pelo jornalista Tomaz de Aquino e pelo comunicador Joel Andrade, tendo como assistente o publicitário Raynier Andrade. O Jornal de Gravatá vem preencher uma lacuna no mercado editorial de Gravatá e da região que se ressentia de um jornalismo imparcial, feito por profissionais da área de comunicação e com foco nos acontecimentos tenham interesse para a população.

Além disso o Jornal de Gravatá trará entrevistas com personalidades de destaque do município e terá em sua grade uma gama de prestação de serviços que serão implementados ao longo das edições como bolsa de emprego, ofertas de cursos, palestras e treinamentos, bem como a cobertura de eventos que possam colaborar com o desenvolvimento e o crescimento de Gravatá.

Assista agora a edição do teste do Jornal de Gravatá edição número 1

https://www.youtube.com/watch?v=QI7xl_nBt2Q&feature=youtu.be

 

27 de setembro de 2018 às 07:09h

Nasce em Gravatá o IHAG para preservar a memória e a história da cidade

Nasce em Gravatá o IHAG

Depois de um período de reuniões, debates, troca de ideias e muita vontade de preservar a história e o patrimônio do município de Gravatá, foi finalmente fundado ontem (26) o Instituto Histórico e Arquitetônico de Gravatá – IHAG.

Em reunião realizada na Casa José Lamartine de Andrade, onde vai funcionar o instituto, foi assinada a ATA de fundação da entidade que agora será levada ao cartório para o devido registro passando assim a existir de fato e de direito.

Na ocasião foi escolhido o médico, professor e membro da Academia de Letras e Artes de Gravatá, Lamartine de Andrade Lima, filho de José Lamartine fundador da academia, para primeiro presidente do IHAG.

Em seguida foi feita a posse da nova diretoria que  a partir de agora passa a coordenar as ações e a dirigir os projetos do órgão criado, com destaque para a  escolha do “LOGOTIPO” do instituto que será feito através de sorteio envolvendo os alunos da rede de ensino da cidade, bem como o de se iniciar o processo de conscientização da população sobre a importância de se preservar a memória material e imaterial de Gravatá.

Na reunião estiveram presentes a arquiteta Vera Menezes, a professora Dilsa Farias, a também arquiteta Nathalia Niely, o advogado Ivaldo Olímpio, o jornalista Tomaz de Aquino, a bibliotecária Elisângela Caboclo e o professor Lamartine de Andrade.

Em breve, após o retorno, do presidente de sua viagem fora do estado, será definida a data para a realização de um evento com o objetivo de apresentar a todos o IHAG e assim torna-lo parte da vida dos munícipes que terão a partir mais garantias para evitar a destruição das belezas naturais e arquitetônicas de Gravatá, uma das cidades mais importantes do Agreste Central de Pernambuco.

19 de setembro de 2018 às 05:29h

Estamos preparando nosso espaço para melhor receber nossos clientes e amigos

Entra na reta final a reforma do nosso espaço que agora vai funcionar na rua 15 de novembro 1171, junto do caldinho do Lúcio com a novidade de um sistema de comunicação envolendo uma tv web em parceria com a Rádio Popular 104,5  Fm.
Nesse espaço teremos o estúdio onde faremos as gravações (o jornalismo) continua no sangue e circulando fortemente nas veias, também uma sala para treinamentos e cursos em várias áreas, uma área de espera confortável e um café para os amigos degustarem os prazeres do café orgânico de Taquaritinga.
Na segunda já voltaremos a atender e assim oferecer um serviço com mais qualidade aos nossos parceiros.

17 de setembro de 2018 às 07:03h

Segunda Feira 24 tem novidades na comunicação do Agreste e do mundo todo

O jornalismo está no sangue e assim depois de um tempo sem o jornal Rota232 voltamos oficialmente a comunicação  com o canal youtube.com/tvrota232 para o mundo todo e em parceria com a Rádio Popular FM 104,5 para Gravatá e região.  Estaremos a frente do programa Rota Empreendedora que irá ao ar de segunda a sexta feira onde estaremos conversando com líderes de sucesso de todos os lugares, assim também como replicaremos entrevistas de destaque do mundo empresarial e daremos dicas de empreendedorismo e de educação para a juventude.

O canal youtube.com/tvrota232 também terá vários outros quadros que estão sendo montados por outros comunicadores e profisisonais de várias áreas entre os quais destacamos:

Rota Cultural onde serão destacados aspectos importantes da cultura, do patrimônio e da nossa história
Rota Literária com a apresentação de escritores, artistas plásticos, eventos literários, etc.
Rota Política falando dos políticos e de suas ações no que diz respeito projetos e realizações que contribuam para o desenvolvimento
Rota Esportiva apesentando as notícias o esporte e também as possibilidades dessas áreas para os jovens
Rota Social aqui falaremos de tudo que acontece na nossa sociedade
Rota Culinária

Cabe destacar que todos esses programas terão como foco a educação, a capacitação e a qualificação a fim de preparar nossos jovens para o futuro, divulgando cursos, palestras, treinamentos, além de oportunidades de emprego objetivando levá-los a descobrirem seus dons e talentos e assim fazerem a diferença e se destacarem no mercado.

Para isso estaremos abertos a voluntários que queiram repassar seus conhecimentos através do canal youtube.com/tvrota232 e da Rádio Popular FM 104,5, quem se interessar em apresentar um programa, dar um curso, fazer uma palestra é só entrar em contato através do email: jornalrota232@gmail.com

Esse é o primeiro projeto de comunicação da Rota232 depois que o jornal Rota 232 deixou de circular, é um projeto inédito pois teremos uma rádio funcionando como TV, o que é uma novidade no mercado editorial, principalmente com foco numa área que é a da educação.

Esperamos continuar contando com o apoio de nosso apoiadores, amigos e todos àqueles que se preocupam com o futuro de nossos jovens e consequentemente de nosso país.

 

 

 

15 de setembro de 2018 às 19:50h

Raul Henry visita Gravatá ao lado de Danilo Melo

O atual vice governador e candidato a deputado federal Raul Henry visitou nesse sábado seus amigos de Gravatá e passeou pelo centro da cidade, foi a feira, ao mercado e depois participou de um encontro na Banda XV de Novembro onde falou sobre as suas esperanças de que o Brasil melhore e que espera contar com o apoio de todos para em Brasília ajudar o presidente que ganhar a a administrar o país para o povo, trazendo para Pernambuco recursos que possam melhorar a vida das pessoas, inclusive para a cidade de Gravatá onde tem amigos e com certeza será um dos moradores no futuro.

15 de setembro de 2018 às 07:56h

TV Nova Agreste e Rádio Popular Fm 104,5 agora são parceiras

A TV Nova Agreste inicia as suas operações em fase de teste na próxima segunda feira 17, em parceria com a Rádio Popular 104,5 Fm com o programa “Carreira de Sucesso” apresentado pelo jornalista Tomaz de Aquino que estará no ar de segunda a sexta feira das 13:30 às 14:30 horas e na internet  no canal youtube.com/tvnovaagreste.

O diretor da Rádio Popular 104,5 Fm abriu o espaço de formação da rede para dar à população a chance de assistir um programa com entrevistas com personalidades empresariais de sucesso, dicas sobre oportunidades de emprego, cursos, workshops e palestras, além da realização de eventos para garantir aos jovens a possibilidade de se encontrar profissionalmente.

A Rádio Popular Fm 104,5 tem audiência nas cidades de Gravatá, Chã Grande e Bezerros e com a Tv Nova Agreste essa audiência será ampliada para o mundo todo através da internet

Assim a parceria da Tv Nova Agreste cuja programação será focada na educação, por se tratar de um veículo de comunicação educativo será apresentada também pela Rádio Popular Fm 104,5 e trará muitas novidades nas áreas econômica, social, política e cultural de pernambuco no que diz respeito a treinamentos, possibilidades, conhecimento das profissões, despertando talentos e aumentando a auto estima de todos, particularmente dos jovens.

Para o jornalista Tomaz de Aquino é uma grande alegria voltar ao rádio, depois de mais de 10 anos afastado dos microfones e a área de comunicação sua grande paixão, agora num novo veículo o da televisão através de um cabal no youtube em parceria com uma rádio local. Segundo Tomaz a internet abriu as portas da comunicação para todos e tirou da mão de grandes grupos econômicos o poder de informar, assim uma Rádio local se transforma em mundial com o advento da web.

Então não perca o programa “Carreira de Sucesso” de segunda a sexta feira das 13 as 14 horas na Rádio popular FM e na Tv Nova Agreste. para mais informações passe um zap para Tomaz 81 9.99892523

 

9 de setembro de 2018 às 07:06h

Como fazer uma faxina nas prateleiras do seu coração

É hora de esvaziarmos as prateleiras do nosso coração, jogando fora, no lixo, todas as coisas do passado que não nos servem mais. Todas as lembranças, mágoas, rancores, negócios desfeitos ou malfeitos, projetos que não andaram e estão atrapalhando o lugar de novas decisões mais promissoras.

E, por fim, os pensamentos negativos, os ressentimentos e o medo que nos impede de realizarmos grandes coisas como diz o nosso Deus.
Quando olhamos para as prateleiras do nosso coração cheias de tralhas, de coisas inúteis, de orgulho, vaidade, sentimentos de vingança, inveja, fofoca e mentiras percebemos o quanto ainda somos “carne” e não espírito.

Escutamos a Palavra de Deus mas não praticamos, não utilizamos os ensinamentos para fazer uma faxina definitiva com coragem, com vontade de realmente trocar as nossas caixas de bagulhos por outras cheias de coisas que fundamentalmente sejam importantes e necessárias para termos o que Jesus nos prometeu: Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize. João 14:27.

Depois de limpar as prateleiras do nosso coração devemos começar a arrumar as novas caixas com ordem e decência porque isso agrada a Deus e assim colocaremos nelas os frutos do espírito que são: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança, justiça, verdade – Gálatas 5:22

Então pegue os seus Dons e talentos e use com tudo que está dentro dessas novas caixas para auxiliar aos que precisam e agradar ao nosso Deus, porque será pelos frutos que nos conhecerão.

Tomaz de Aquino
jornalista e corretor

7 de setembro de 2018 às 09:41h

Seja o protagonista da história da sua vida e não o ator coadjuvante

palestra no Encontro de Corretor para Corretor em Maceió

É hora de tomar uma “Atitude”

Na vida o que faz a diferença é a ATITUDE que você tem diante das situações!

Ela não substitui a competência, não toma o lugar da experiência, mas com toda certeza faz com que a pessoa tenha mais oportunidades consiga mais resultados sejam emocionais, financeiros ou sociais, etc.

Se você não pode mudar alguma coisa, mude sua atitude com relação a essa coisa e sua vida será diferente. Por conta de uma atitude errada somos condenados a perder momentos de alegria, a deixarmos de ter bons amigos, a fazermos coisas boas e encararmos a vida com disposição, com vontade e com garra.

Tudo isso por conta de nossa atitude para com determinados acontecimentos, variadas situações e inúmeras pessoas. Sem atitude ou sem mudar a sua atitude dificilmente você vai conseguir os resultados que tanto almeja.

Pense qual é o seu problema para com você mesmo, para com os outros e para com qualquer outra situação, reflita, pense, nas várias formas de mudar essa situação e escolha aquela que vai trazer menos prejuízos para você e para todos com os quais você convive.

Só vive quem tem atitude e só vive bem quem tem atitudes positivas para coisas negativas.

5 de setembro de 2018 às 20:36h

Conheça a Reserva Serra do Contente em Gravatá

Localizada na zona rural de Gravatá, na transição dos biomas agreste e brejo de altitude do estado de Pernambuco, distante aproximadamente 7 km do centro da cidade, através de estrada de terra, no meio da mistura de caatinga com resquícios de mata atlântica, a reserva Serra do Contente, é um patrimônio particular natural onde se encontram trilhas, fontes naturais que foram pequenas lagoas para banho e também cachoeiras nos períodos do inverno, além de montanhas, grandes pedras e paredões para quem gosta de se aventurar em esportes radicais.
A Reserva Ecológica Serra do Contente é uma reserva florestal de 900 hectares, protegida por uma muralha natural de pedras nativas de dois quilômetros de extensão. Encravada no ponto mais alto da cidade, a 680m acima do nível do mar é um verdadeiro refúgio para pássaros e animais silvestres que encontram na área as condições ideais para a sua preservação.
Denominado como Brejo de altitude, em função da grande quantidade de água que aflora nos pontos mais altos e descem formando pequenos regatos, riachos e até rios e matas cobertas por bromélias que nascem no topo de árvores centenárias e formam jardins de flores tropicais que são regados pelas nascentes e pelos riachos que serpenteiam a mata.
“Essa altitude vai sempre barrar os ventos que vêm do oceano atlântico e ajudar a promover a continuidade das chuvas”, diz a bióloga Maria José da Hora.
A Reserva guarda algumas curiosidades interessantes como por exemplo a existência de uma espécie de caranguejos minúsculos nas suas águas transparentes e que se escondem entre as pedras dificultando a sua visão, mas sendo um prêmio ver crustáceos numa altitude de mais de 600m e a mais de 100Km do mar, destacando que essas espécimes são de água doce.
Veja mais Imagens da Serra do Contente