20 de dezembro de 2014 às 06:15h

A Gravatá que queremos

moinho restaurante

E Gravatá entre as 10 piores ( essa observação é minha)

Para mim é uma honra muito grande ver Caruaru a cidade onde nasci, a terra dos meus ancestrais ser classificada como uma das 100 melhores do Brasil para se morar. Esse é um título que não podemos esquecer jamais.

Gostaria muito que Gravatá essa cidade fantástica que escolhi para morar tivesse prefeitos que gostassem dela, que trabalhassem de fato por ela e não para si mesmo, que gastassem os recursos públicos em ações que visassem a melhoria da coletividade.

Gostaria que os gestores lutassem por projetos estruturadores e definitivos que não ficassem mudando a cada gestão e que continuassem o que foi de outra gestão e que deu certo.

Gostaria por fim que os gestores priorizassem o turismo. Esta é a única solução para que Gravatá continue crescendo, aparecendo e se destacando no cenário nacional. Qualquer outra ideia que não seja ligada ao turismo tende ao fracasso, esse negócio de distrito industrial, polo comercial, fábricas isso é pura idiotice nem temos vocação e nem infra estrutura. Nossa cidade é turística, essa é a sua identidade. A identidade de Gravatá não é o cruzeiro como empurraram goela baixo. A identidade de Gravatá é a recepção que o povo tem com os que chegam de fora, Não existe uma cidade mais acolhedora, mais quente e mais amiga do que essa para receber quem nos visita. Essa é a nossa cara e a nossa missão receber bem.

Dói você ver uma cidade com o nosso potencial turístico morrendo aos poucos por conta de inanição política, desnutrida de moral, carente de honestidade, fraca de ética e desprovida de gestores competentes e comprometidos com a sua recuperação.

É como você querer que seu filho vá lutar UFC quando ele quer Ballet, vai dançar ele e você, mas numa chapa quente.

Quem quer uma Gravatá efervescente, rica, cheia de turistas, com a construção civil a todo vapor e a economia crescendo aposta no turismo que foi o turismo quem trouxe a população flutuante que sustenta a economia desse município. Essa é a nossa única saída, não existe outra.

Como jornalista, com especialização em turismo e meio ambiente vou ajudar na elaboração de um projeto turístico para Gravatá que contemple as belezas naturais que essa cidade tem e que são relegadas a segundo plano pela atual gestão, além de promover a cidade como destino turístico ecológico, porque uma cidade que tem três reservas ecológicas: Serra do Contente, Jussará (jussaral) e Karawatá, não precisa de mais nada para criar um Rota Turística Ecológica de sucesso que vai do Agreste ao Brejo de Altitude.

Vamos caminhar para entrar na lista das 100 melhores cidades do Brasil para se morara partir de 2015. Não vamos desanimar, vamos nos unir em torno de um projeto de turismo  para Gravatá independentemente da prefeitura.

Neste momento está criado o Fórum Turístico de Gravatá e todos àqueles que querem ver Gravatá voltar a ser uma cidade com destaque no estado e no Brasil podem participar. Não importa cor, credo, religião, partido político, o que importa é Gravatá, é a nossa sobrevivência.

Se quiser participar para discutir o futuro turístico de Gravatá passe um email para jornalrota232@gmail.com ou ligue 9989.2523, em janeiro vamos marcar nossa primeira reunião com todos os interessados e espero que sejam muitos empresários, estudantes, comerciantes, comunicadores, enfim toda sociedade ou nos unimos ou vamos ver a nossa cidade definhar a cada dia.

Esperar que Bruno seja cassado é um sonho. Não dá para viver de ilusão.

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.