31 de Janeiro de 2018 às 20:12h

Gravatá entre as 21 cidades consideradas como melhores destinos do turismo rural

Tranquilidade, lindas paisagens, ótimo ambiente para relaxar e boa gastronomia. Esses são apenas alguns dos atrativos do campo, que atrai cada vez mais turistas para cidades que ficam na rota do turismo rural. Assim, além de poder aprender sobre a cultura do destino, apreciar os pontos turísticos tradicionais e curtir o conforto dos hotéis, o turista ainda pode descansar e relaxar fazendo passeios pelo campo, respirando ar puro e recarregando as energias nos diversos sítios, fazendas e chácaras, naturalmente equipados com rios, lagoas, cachoeiras e muito verde.

Pensando em toda essa mordomia, combinamos uma lista de lugares que com certeza vão render memórias e fotos a perder de vista. Sem nenhuma ordem em particular, pegamos como base as cidades que mais se destacam e promovem o turismo rural no Brasil. Confira quanto coisa gostosa tem pra curtir nesses destinos incríveis:

1. Cabaceiras – Paraíba

Localizada na região do Cariri, parte árida do estado da Paraíba, Cabeceiras oferece um ambiente perfeito para quem quer descansar alguns dias ingressando na área rural do nordeste brasileiro. Com uma natureza exótica, a cidade já foi locação para mais de 30 documentários, incluindo o Auto da Compadecida. Os moradores locais a chamam de “Roliúde Nordestina”, mas além disso, quem visita Cabeceiras também conhece a cultura de uma das principais regiões rurais do Brasil tropical.

2. Gravatá – Pernambuco

Já ouviu falar da Suíça Pernambucana? É assim que é conhecida Gravatá, cidade há 80 quilômetros do Recife e um dos principais destinos de turismo rural no Agreste Pernambucano. A cidade atrai turistas de várias partes do Brasil também por ficar localizada no Planalto da Borborema, área montanhosa que fornece um clima com temperatura amena durante o ano inteiro. Além das paisagens naturais, a variedade de delícias gastronômicas é realmente uma atração à parte – destaque para o bode assado, o queijo coalho e o queijo manteiga.

3. Venda Nova do Imigrante – Espírito Santo

Berço do turismo rural no Brasil, a cidade conta com uma economia voltada para o café que envolve quase a totalidade da produção rural do município. Atualmente o turismo rural abrange 70 propriedades de 300 famílias que estão prontas para receber o turista que quer fazer de sua viagem um momento de descanso e aprendizado. A linda cachoeira do Alto Bananeira garante lindas fotos para o álbum de viagem.

4. Vassouras – Rio de Janeiro

Fazenda Cachoeira Grande – Foto via Flickr por Rosanetur

A cidade dos barões de café do século XIX hoje se tornou um dos principais destinos turísticos na rota do turismo rural. Além da sua história impressionante, esse é um belíssimo lugar com muitas áreas arborizadas, verde e belíssima arquitetura. No campo, entre as inúmeras fazendas abertas para visitação está a famosa Cachoeira Grande, que funciona desde 1820 apresentando relíquias para serem admiradas pelos visitantes. Na agenda cultural, todos os anos em julho acontece o Festival do Café.

5. Bento Gonçalves – Rio Grande do Sul

Conhecida como a capital brasileira da uva e do vinho – nada mais justo do que a cidade sediar a Avaliação Nacional de Vinhos e o Concurso Internacional de Vinho. Enquanto a área urbana é tomada pela arquitetura de estilo europeu, no interior do município dá pra ser perder em meio aos parreirais que somem entre as paisagens da belíssima Serra Gaúcha. O Parque Temático Epopeia Italiana e as diversas vinícolas promovem tours super bacanas. No inverno, as baixas temperaturas e a possibilidade de neve também movimentam a cidade.


6. Lages – Santa Catarina

Localizada no sul do estado, Lages é uma das pioneiras no turismo rural. Desde 1980 fazendeiros da região passaram a abrir as porteiras de suas propriedades para a visitação. Atualmente, a cidade recebe aproximadamente 50 mil visitantes por ano que buscam vivenciar o cotidiano das fazendas e relaxar. A famosa Coxilha Rica – uma planície de 100 quilômetros com rios e campos verdes – usada pelos tropeiros como rota, é de tirar o chapéu.

7. Parelheiros – São Paulo

Sítio Boa Nova – Foto via Flickr por Virada da Saúde

Os 35 quilômetros que separam o munícipio da agitação da grande metrópole é o que contribui para Parelheiros ter aquele clima interiorano e aconchegante. Reconhecida com um dos principais destinos na rota do turismo rural, a cidade oferece trilhas em áreas de mata preservada, passeios náuticos, chácaras de produtores e visitas à tribos indígenas. Aliás, uma alternativa é também se hospedar em um dos inúmeros hotéis em São Paulo e passar o dia em Parelheiros.

8. Atibaia – São Paulo

Vista da Pedra Grande – Foto via Flickr por Paulo César Prezoto de Barros

Famosa pelas plantações de flores e morangos, Atibaia oferece roteiros super bacanas para quem está a procura de uma programação interessante. Uma das atrações é a Pedra Grande, com 1.450 metros de altitude, propicia uma bela vista de toda a região. Há quase quatro décadas, a Festa das Flores e do Morango é sempre uma boa ideia para experimentar e admirar diversos produtos feitos pelos agricultores locais.

9. Dourado – São Paulo

Carinhosamente lembrada como a Cidade do Coração Paulista, Dourado se destaca pelo seu clima e as belezas naturais do cerrado. A tranquilidade da cidadezinha de apenas 9 mil habitantes contrasta com seus imponentes vales e colinas e pelas suas florestas que recheiam o relevo. Nas redondezas das propriedades rurais ainda é possível o contato com alguns animais silvestres.

10. Mococa – Minas Gerais

Fazenda em Mococa – Foto via Flickr por mauroguanandi

Uma das cidades mais tradicionais de Minas Gerais chama a atenção pela força no setor agrícola. Mococa integra a rota de turismo rural do país e também o Circuito Café com Leite. Todos os anos milhares de turistas visitam a cidade para conhecer suas fazendas históricas, fazer cavalgadas em meio aos cafezais e explorar o misto de beleza com a riqueza histórica do município.

11. Valinhos – São Paulo

Um paraíso para quem procura turismo rural! As mais de 400 chácaras produtoras de frutas levaram a cidade a receber os títulos de Capital Nacional do Figo Roxo e Terra da Goiaba. Os passeios pelas propriedades mostram todo o processo de produção, não só das frutas, mas também de doces, vinhos e licores. A natureza também foi generosa quanto as suas fontes de água mineral que, há muito tempo, são consideradas radioativas com benefícios à saúde.

12. Vinhedo – São Paulo 

?

Ainda que orgulhosa de sediar, desde 1950, a famosa Festa da Uva e do Vinho, a cidade guarda tesouros em suas antigas propriedades e o charme da arquitetura de raízes europeias. Na rota rural, Vinhedo está inserida com o Memorial do Imigrante, a Adega Família Ferragut e o belíssimo Sítio Frediani, cheia de atrações imperdíveis.

13. Jundiaí – São Paulo

Sendo a quinta população rural do país, Jundiaí é um dos principais destinos de turismo rural do estado de São Paulo e faz questão de enfatizar suas dezenas de adegas com suas produções de vinhos centenários. Não é a toa que a cidade faz parte do Circuito de Adegas e ficou conhecida internacionalmente por ter servido seus vinhos aos Papas Bento XVI e Francisco quando visitaram o Brasil.

14. Itatiba – São Paulo 

?

Fazendas, sítios, chácaras, cachoeiras e lagos para pesca estão dentro de qualquer roteiro entre as inúmeras atrações de Itatiba. A “Princesa da Colina” ostenta suas paisagens e faz bonito no Circuito das Frutas como a cidade do caqui. A produção cafeeira deixou na zona rural traços fortes da arquitetura do século XIX que hoje é cenário para o turismo histórico-cultural.

15. Betim – Minas Gerais

Mesmo sendo um importante polo industrial de Minas Gerais, Betim é muito famosa pelas suas fazendas, alambiques e reservas naturais que fazem a alegria dos visitantes que buscam tranquilidade, conhecimento e momentos de contato com a natureza. Um dos destinos mais procurados pra quem procura onde ficar em Belo Horizonte, também é casa do Parque Ecológico Vale Verde e de artesãos de mão cheia.

16. Holambra – São Paulo 

Créditos: Alexandre Pottes Macedo

Não é apenas no nome que Holambra lembra o país europeu. Graças a colonização holandesa a pequena cidade é famosa pelas flores e o charme singular do município. Na primavera a Exploflora – maior feira de flores da América Latina – toma conta da cidade e, durante o ano todo, o city tour visita as estufas, roseiras e campos floridos, que podem ser percorridos tanto a pé quanto de carro.

17. Campo Verde – Mato Grosso 

?

Não é à toa que Campo Verde recebeu esse nome. Além de sua maravilhosa estrutura hoteleira com seus famosos hotéis fazenda, a cidade também é conhecida como a Capital do Algodão, devido a forte produção no setor. Entre as deliciosas atividades no campo, destaque para cavalgadas no Assentamento Rural 14 de Agosto e os passeios pela usina de algodão e indústria de sementes do Grupo Bom Fruto.

18. Corumbá – Mato Grosso do Sul

Também conhecida como a Capital do Pantanal, Corumbá é uma das poucas cidades do Brasil que detém o privilégio de possuir um Centro Histórico integrado a natureza. Com uma fauna e flora incomparáveis, a maioria das pousadas pantaneiras e os hotéis rurais oferecem passeios para todas as idades e uma culinária recheada de sabores.

19. Valença – Rio de Janeiro

Cachoeira de Coronel Cardoso no Distrito de Parapeúna em Valença Créditos – Assessoria de Comunicação da Prefeitura

As várias fazendas remanescentes da época do Ciclo do Café enaltecem e contam a história dessa linda cidade carioca cheia de cultura. A Fazenda Pau D’Alho, por exemplo, oferece visitas guiadas para apreciação de seu conjunto de móveis franceses e sua usina hidrelétrica de 1921. As belezas do Vale do Paraíba também podem ser conferidas nas caminhadas pelos jardins arborizados das belíssimas propriedades rurais.

20. Rio das Flores – Rio de Janeiro

A vizinha de Valença também não deixa a desejar. As fazendas de café da região fluminense serrana são os principais cartões postais de Rio das Flores. Os bolos e doces produzidos artesanalmente nos antigos fogões a lenha também fazem parte dos circuitos pra conhecer as charmosas propriedades rurais. Conhecida como a “Jóia do Vale”, a Fazenda do Paraíso é uma das mais tradicionais.

21. Domingos Martins – Espírito Santo

Famoso pelas suas belas praias, o Espírito Santo vai além das águas do mar. Na região serrana do estado, o distrito de Domingos Martins guarda lembranças e tesouros da colonização dos imigrantes alemães e italianos – parece quase uma pequena cidade gaúcha infiltrada nas serras capixabas. As cavalgadas pelos sítios e fazendas é uma das atividades mais concorridas na região.

Fonte expedia.com.br

31 de Janeiro de 2018 às 05:43h

Cliente – parceiro a nova figura do mercado

Tem corretor que às vezes fica se perguntando por que um cliente não fechou negócio com ele e fechou com outro, e em muitas ocasiões no mesmo empreendimento. Muitos fatores podem contribuir para esse tipo de acontecimento, mas com certeza um dos que mais contribuem para impedir uma negociação de sucesso é a comunicação.

A comunicação é o principal elemento de uma transação imobiliária e muitos corretores acham que comunicação é apenas falar, apresentar o produto de qualquer jeito. Muitos entopem os seus clientes de palavras, de fatos, de argumentos, de exemplos, de explicações, de fotos, de vídeos, tudo fora de lugar, tudo sem nexo, sem se preocupar se está dizendo o que o cliente quer ouvir, sem observar se está dando o que o cliente de fato está querendo e se está passando as informações necessárias para fechar a comercialização.

Além disso, elementos subjetivos da comunicação como expressão corporal, apresentação, poder de persuasão, dicção, etc., também são colaboradores decisivos para o fechamento de um negócio. Por isso, é fundamental dedicar-se a conhecer o produto, o cliente, o local para que possa aplicar as técnicas fundamentais de comunicação e assim obter resultados positivos, sem esquecer em nenhum momento de que a verdade será a sua moeda.

Não é porque alguém já fala bem que está pronto para ter sucesso no mercado e realizar bons negócios, principalmente nos dias de hoje com a presença das redes sociais. Além do domínio da comunicação ele precisa saber usar as ferramentas tecnológicas para apresentar o seu produto.

Dentro desse contexto pensamos num acróstico que seria o da comunicação IDEAL onde cada letra representa um passo para se fechar uma transação imobiliária, são eles:

Interesse – chamar a atenção do cliente para despertar o seu interesse é função básica de quem está apresentando um imóvel e para isso precisa ter o conhecimento do empreendimento e do perfil do cliente que desejaria adquirí-lo

Desejo – Com a atenção do cliente voltada para o imóvel é preciso destacar os benefícios de curto e médio prazos que o cliente vai ter se adquirir aquele imóvel, principalmente nos quesitos que trabalham com a emoção como lazer e segurança.

Emoção – Uma vez que o interesse do cliente foi despertado, ou seja o cliente foi atraído para o conteúdo apresentado e demonstrou desejo de se comunicar para criar um canal de relacionamento, tona-se necessária a realização de uma ação de convencimento e persuasão.

Ação – Despertado o interesse dando ênfase no desejo do cliente e trabalhada a sua emoção é hora de agir para não o perder e transformá-lo em parceiro-comprador e isso só vai acontecer quando o elemento verdade for colocado na negociação.

Liberdade – O cliente que acreditar no que está sendo oferecido ele escolherá livremente o imóvel de vez que não se sentirá enganado em função de comprovar cada item que foi apresentado.

Portanto, do início da negociação que é a apresentação do imóvel até o fechamento da transação que é a assinatura do contrato o fundamental é se trabalhar com a realidade e com a verdade para que o cliente se sinta parceiro da transação e não apenas um consumidor.

Acesse: www.blogdotomaz.com.br

29 de Janeiro de 2018 às 07:42h

O que vende é a comunicação o resto é marketing

Essa crise mostrou que o importante para quem atua com vendas, política, liderança empresarial, etc., é a arte da comunicação. Parafraseando Falcão, humorista brasileiro, a comunicação não é tudo, mas é 100%.

Sendo assim, de nada adianta você ter um excelente produto ou serviço se você não sabe comunicar o que você tem, se você não sabe apresentar e apresentar-se. De nada adianta ter um excelente plano de marketing, uma campanha publicitária arrasadora se a comunicação do emissor não se articular bem com quem vai receber a informação, o receptor.

Através da comunicação você consegue convencer alguém de alguma coisa, persuadir uma pessoa a adquirir o seu produto, demover outra de uma ideia contrária à sua e fazê-la acreditar que a sua é a melhor. Isso faz parte da comunicação, do discurso, da apresentação, o resto é marketing, técnica de vendas, estudos de coach, etc.

Como diz Aristóteles em seu trabalho sobre a  Arte da Retórica: “todas as pessoas de alguma maneira participam da dialética ou da retórica”.

E explica o que é cada uma: para ele “A dialética é a arte de, no diálogo, na comunicação, demonstrar uma tese por meio de uma argumentação que seja capaz de definir e distinguir claramente os conceitos envolvidos na discussão, ou seja na arte da comunicação”.

Já a retórica é o conjunto dos elementos usados pela comunicação, isto é, pelo discurso, pela dialética e que no final das contas se resume a uma situação onde: “todas as pessoas tentam em certa medida questionar e sustentar um argumento, defender-se ou acusar”.

Dessa forma Aristóteles analisa e fundamenta os três gêneros retóricos, ou discursos dos quais as pessoas se utilizam para atingir os seus objetivos, que são:

  1. O discurso deliberativo (que procura persuadir ou dissuadir);
  2. O judiciário (que acusa ou defende), e
  3. O epidítico (que elogia ou censura de forma sensacionalista, através da ostentação).

Nesse contexto o plano emocional também é analisado em sua relação com a recepção do discurso retórico e inclui uma série de elementos, como a ira, amizade, confiança, vergonha e seus contrários para serem analisados, bem como o caráter dos homens (dos jovens, dos ricos, etc.).

Conhecendo o tipo de discurso que vai se utilizar, então se parte para o estilo e a composição da proposta de comunicação incluindo elementos como clareza, correção gramatical e rítmo, além do uso das metáforas completando as partes que compõem um discurso que se torne vencedor.

Muitas pessoas mesmo sem saber são mestres na arte da retórica, usa as técnicas, desenvolve os talentos da argumentação, trabalha os gestos e isso tudo de forma natural e espontânea, esses são os grandes oradores, os gênios da comunicação que em suas áreas política, econômica, social, etc, fazem a diferença e se destacam.

Já outras precisam se preparar para comunicar alguma coisa a alguém. Têm que estudar, aprender as técnicas, entender como utilizar os argumentos na hora certa, compreender como trabalhar os elementos da retórica de dissuasão persuasão, aprofundar-se nos tipos de discurso e assim mesmo sem o dom natural se destacam.

Logo, qualquer um, mas qualquer um mesmo pode se tornar um grande comunicador, pode ser um excelente vendedor e fazer sucesso. Para os que já possuem o dom natural tudo é mais fácil, entretanto, para os que não nasceram com o dom da palavra devem investir em cursos de oratória e comunicação a fim de adquirirem a capacidade de se apresentarem bem e apresentarem com eficiência o seu serviço ou o seu produto.

E isso responde porque é que mesmo em crise, diversos profissionais cresceram, aumentaram seus ganhos, passaram pela turbulência de forma tranquila, isso aconteceu porque eles souberam modificar os argumentos a serem utilizados e adaptaram os seus discursos para o momento de dificuldade e de crise que o mercado atravessa.

Por Tomaz de Aquino
jornalista, corretor, perito avaliador e escritor

23 de Janeiro de 2018 às 22:16h

Sindimóveis informa que data do curso de incorporação imobiliária foi alterada

Devido ao grande número de inscrições, a data foi alterada para o dia 28 de Fevereiro, pois ocorreu a necessidade de adequar o auditório. O sindicato também recebeu vários pedidos para que fosse após o Carnaval. A pedido da entidade, ajustamos nossa agenda com alegria, constatando o elevado interesse da categoria com o tema. Preparei o material com muito esmero, totalmente focado para os Corretores de Imóveis.

22 de Janeiro de 2018 às 06:39h

Comunicação, Captação e Criatividade: os três degraus do sucesso para o corretor

Esse ano de 2018 será o filtro do mercado imobiliário para os corretores.

Quem não investir na sua capacitação para enfrentar as novidades da tecnologia e das redes sociais com certeza vai dar adeus à profissão e procurar outra coisa para fazer.
Corretor que não souber redigir com precisão e eficiência os seus anúncios, que não dominarem as técnicas de promoção de seus produtos nas redes socais e não aprender a criar estratégias eficazes de captação de clientes vai dar adeus ao mercado e entrar em outro ramo de atividade.
Por isso, preparamos um material específico para os corretores a fim de que eles possam aplicar as técnicas e os métodos que foram desenvolvidos especialmente para que se transformem em profissionais competentes e façam a diferença no mercado.
Saber falar, saber redigir e principalmente saber captar clientes com criatividade num período em que os estoques de produtos estão sobrando será a grande sacada dos profissionais de intermediação imobiliária para esse ano que se inicia.
Acompanhe a nossa agenda e não perca os nossos treinamentos quando for acontecer perto de você, faça para de um time de vencedoes e suba os três degraus do sucesso: comunicação, criatividade e capatação…

18 de Janeiro de 2018 às 07:37h

Treinamentos imobiliários vão ter início depois do carnaval

Em março você não pode perder a oportunidade de realizar um treinamento voltado para o setor de documentação imobiliária com o professor, corretor e corregedor do Cofeci, Petrus Mendonça, autor do livro Contratos de Corretagem Imobiliária, sucesso junto aos profissionais de intermediação imobiliária.

15 de Janeiro de 2018 às 16:06h

Comunicação, captação e criatividade os três problemas do corretor em 2017

Muitos corretores de imóveis provaram do pão que o diabo amassou nesse ano de 2017.

Àqueles que trabalharam com a visão voltada para a área de captação de clientes e não de produtos, pois produtos tem demais no mercado, e aplicaram nesse segmento técnicas de comunicação em conjunto com novas estratégias de relacionamento com certeza tiveram resultados melhores do que os outros que continuaram com as mesmas ações dos anos anteriores.

Esse ano de 2018 é um ano cheio de novidades teremos as eleições para presidente, governador, deputados e senadores e também a eleição do sistema cofeci – creci que vai eleger o novo presidente do Cofeci e os presidentes dos crecis regionais, além de uma copa do mundo pelo meio gerando muitas atividades e dessa forma exigindo mais inovação dos corretores.

Por isso preparamos um material especial focado nas três áreas que trouxeram mais dificuldades para os profissionais de intermediação imobiliária que são as de comunicação, captação e criatividade. Dessa forma estaremos aqui prontos para tirar a sua dúvida amigo corretor.

Acesse: www.blogdotomaz.com.br e fique preparado para realizar bons negócios no ano de 2018.

15 de Janeiro de 2018 às 06:25h

Comunossauro do PCO quer defender o indenfensável em Porto Alegre no dia 24

O comunista, revolucionário, membro do Partido da Causa Operária, ex-candidato a prefeito de Gravatá e o mais ferrenho crítico da atual gestão da cidade, combatendo diuturnamente o prefeito Joaquim Neto, faz campanha nas redes sociais para viajar para Porto Alegre no dia 24 a fim de defender o ex-presidente Lula que será julgado pela turma da 4ª TRF e provavelmente condenado.

O engraçado é que ele quer ir com dinheiro do capitalismo que ele combate. Passa o dia criticando os profissionais que prestam serviços ao atual prefeito e que recebem para isso e, entretanto, pede dinheiro para defender Lula, numa incoerência sem tamanho.

Mas a vida é assim e quem quiser colaborar com Oswaldo Alves para que ele possa fazer esse “turismo-político-protestual” é só ajudá-lo dando dinheiro do capitalismo que ele combate para que ele possa se deliciar passeando de avião, com direito a hospedagem em ginásios lotados de militantes vermelhos, com bandeira vermelha do PCO, comendo mortadela e gritando não prendam o Ladrão.

 

 

 

12 de Janeiro de 2018 às 07:59h

A comunicação como alavanca para o sucesso

“Quem não se comunica se trumbica” Abelardo Barbosa, saudoso Chacrinha.

Por mais que o chavão de um dos maiores comunicadores da televisão brasileira seja antigo, continua tão atual como há séculos atrás. Quem descobriu os segredos da comunicação e aplicou as técnicas de oratória e redação na sua vida, com certeza deve ter obtido resultados mais positivos do que aqueles que não se dedicaram a aprender e apreender os signos (sinais) de uma boa comunicação.

Seja em qual for a área que você atue é fundamental que você desenvolva a capacidade de se comunicar com eficiência, de transmitir com precisão uma mensagem, de apresentar com maestria um produto ou um serviço.

Todo profissional deve se concentrar em conhecer os mecanismos de persuasão, de convencimento, de expressão para poder alcançar os resultados que espera, se antes sem a internet, sem o wathsapp, facebook e outros aplicativos já era difícil realizar metas e atingir objetivos, hoje em dia com a força da tecnologia é quase impossível fazer sucesso, sair do anonimato e se desenvolver profissionalmente se não souber falar bem e escrever com clareza.

Por isso, como jornalista há mais de 40 anos e atuando na comunicação imobiliária há mais de 20 me coloco a sua disposição para iniciarmos um relacionamento de troca de experiências para ajudar você a melhorar a sua capacidade de se comunicar e de redigir com objetividade as suas necessidades de negócios.

Para mais informações e tirar qualquer dúvida passe um email para tomazdeaquino@creci.org.br que terei imenso prazer em lhe ajudar.

11 de Janeiro de 2018 às 06:16h

A Comunicação é a principal estratégia de qualquer negócio imobiliário

Tenho visto muita propaganda e também escutado muitos discursos para realização de negócios no mercado imobiliário. As empresas investem e investem muito para atingir o público alvo específico que deseja alcançar para adquirirem o imóvel que está sendo disponibilizado. Só que a maioria delas continua investindo como no passado, ou seja é como se as agências ainda produzissem material no mundo analógico.

Às vezes nós temos um ou outro case de sucesso, mas em geral os resultados têm sido mais negativos do que positivos, principalmente em épocas de retração econômica.

Alguns empresários do ramo imobiliário são mais experientes e definem junto com a agência o tipo de propaganda que vão fazer, o período em que vão divulgar e o local onde será distribuída a sua mensagem, outros se acham mais sabidos e não escutam ninguém, entendendo que sozinhos alcançarão os resultados desejados. E muitos donos de imobiliárias só querem ganhar não investem nada, não valorizam seus corretores e só esperam pelos proprietários dos imóveis.

Entretanto quase nenhum deles procura uma assessoria de comunicação especializada, que conheça o tipo de produto que está sendo oferecido e também o tipo de público que será buscado para realizar um negócio que não deve ser bom não apenas para dois lados (construtor e cliente), mas sim para três (construtor, cliente e corretor).

A transação imobiliária é o único negócio que tem que ser bom para três lados: O proprietário do imóvel, o cliente e o corretor. Porém sem essa percepção não existe na prática, é só observar que 95% das mensagens imobiliárias só se preocupam com o cliente e com o proprietário do empreendimento formatando uma mensagem, que no final  das contas é fraca e que será vista mas não provocará o desejo de compra no cliente e, por isso, nem sempre os objetivos estão alcançados.

Num momento de Bonança, com bons ventos soprando se vende até vermelho acompanhado de DVD de festa para quem está num velório, mas numa situação de crise em um setor é preciso ter a comunicação correta onde o assessor de comunicação passa a ser peça a chave no processo de informar sobre o produto e, além disso, age juntamente com o publicitário trabalhando em sintonia e harmonia e definindo que mensagem será transmitida e em que mídia.

Quando pegamos um panfleto ou escutamos uma mensagem no rádio ou ainda assistimos uma propaganda na TV parece que é a mesma para todo mundo e só muda o empreendimento: Em geral é o melhor lugar do mundo que está sendo oferecido – até Adão e Eva querem voltar e morar lá – o produto oferecido tem tudo que o cliente deseja.

Porém, todos nós sabemos que não é assim e que às vezes nós temos um ou outro case de sucesso, mas em geral os resultados têm sido mais negativos do que positivos, principalmente em épocas de retração econômica.

A propaganda imobiliária continua a mesma de 50 anos atrás. Não mudou nada. Foto muito bonita  da casa, do apartamento ou do loteamento que está sendo comercializado; informações repetidas e batidas que o cliente nem ler mais, destaque para um preço que todo mundo sabe que é irreal e está engordurado pela fórmula do Colesterol Ruim – LDL = Lucro Demais vira Ladroagem.

Evidentemente que por conta das novas ferramentas tecnológicas muitos têm usado de forma errada as redes sociais e a internet, destruindo muitas vezes uma história de sucesso de negócios imobiliários construída em décadas. Daí muitas imobiliárias que eram famosas estarem estagnadas e paradas no mercado porque não se reciclam.

Algumas propagandas tornam-se tão irreais com o photoshop que se transforma o próprio corretor num distribuidor de panfleto, sem conhecimento do imóvel que está oferecendo, onde não foi preparado e treinado para trabalhar aquele empreendimento e que foi para lá só porque precisa, só porque o dono da imobiliária precisa de gente no plantão (sem importar quem).

Essa união de um professor despreparado com a imagem falsa de um produto que só existe no papel e com uma mensagem ilusória fica tão evidente que o empreendimento estaciona e não vira um caso de sucesso. A mensagem chega rapidamente nos ouvidos do cliente, mas, ele simplesmente não compra!

Acabou a época de iludir. O cliente agora só compra o real, pelo preço de mercado e de acordo com suas necessidades e não com as necessidades do proprietário ou do corretor. Corretor bom não é aquele que pensa que sabe vender tudo, mas aquele que vende o “REAL”.

Nessa conjuntura muitos lançamentos que tinham tudo para ser um sucesso: preço, localização, infraestrutura, emperra e não sai do canto. Encalha e o prejuízo é certo. E essa situação começa a partir da escolha do nome do empreendimento e da mensagem que será desenvolvida para colocá-lo no mercado.

Por isso que a comunicação tem sido a melhor alternativa para a realização de bons negócios onde a estratégia é exclusiva para cada empreendimento, a mensagem é pensada para cada público, os valores são estabelecidos a partir da realidade circundante e não do que se pensa de retorno e isso só pode ser feito por profissionais especializados em comunicação.

Portanto, a partir de agora aposte suas fichas numa proposta integrada produzida por um bom assessor de comunicação, juntamente com a agência e ouvindo os corretores envolvidos na comercialização, só com esse tripé teremos uma nova forma de promover os produtos imobiliários e desenvolver ações com resultados concretos de comercialização.