29 de setembro de 2014 às 13:53h

Prefeito de Gravata desprestigiado pela Frente Popular

Publicamente o prefeito Bruno Martiniano, de Gravata, faz de conta que está tudo bem, que nada mudou, que continua firme na campanha de Paulo Câmara para o governo do Estado.

Entretanto, nos bastidores ele só não chama Paulo Câmara de “arroz doce”. Segundo pessoas que testemunharam um arranca rabo do prefeito, disseram que a sua reação foi desesperadora quando soube que ele aceitou a entrada de Joaquim Neto no palanque do PSB.

Ameaçou romper, mandou recado por Waldemar Borges para os coordenadores da campanha que não foi dado e terminou por engolir o sapo. Ele iria para onde?

Romper com Paulo e voltar para Armando? Aí sim é que ele estaria numa enrascada sem tamanho.Alguns chegaram a sugerir que ele ficasse neutro, não apoiasse mais nem Armando e nem Paulo.

Dessa forma o prefeito de Gravatá que enfrenta a mais alta rejeição que um gestor já enfrentou, teve que se submeter a humilhação de ser passado para trás, de ter o seu prestígio desvalorizado e de ficar como o menino que tomaram o brinquedo  dele fazendo biquinho.

Joaquim Neto que não brinca, está só esperando a hora de fazer um tamborim com o couro do gato. Mas Joaquim também sabe que desta vez vai ter que dividir a banda com outro que também está preparando o couro do gato para fazer um tapete e mandar o povo andar em cima, que é Rafael Prequé,  a grande revelação da política de Gravatá.

 

29 de setembro de 2014 às 13:25h

A uma semana do futuro

Estamos a poucos dias de definirmos o nooso futuro através do voto. Na hora em que votarmos estaremos optando por um modelo de administração que vai nos representar por quatro ou oito anos.

Temos a possibilidade de dizer através do voto decidir se concordamos ou discordamos De tudo que o governo está fazendo.

Nesta eleição temos a oportunidade de dar a chance a um novo modelo de gestão, a uma nova proposta de governo que é a de dar o voto a Marina Silva.

Marina Silva representa a mudança, representa sair dessa briga ensaiada de vermelho e azul do PT com o PSBD.

29 de setembro de 2014 às 08:51h

A campanha política continua atrasada e sem novidades

Quando me refiro a falta de “novidade”  na política é justamente por conta da forma como as campanhas eleitorais se desenvolvem. No que pese todo avanço tecnológico os líderes políticos ainda fazem política como se estivéssemos vivendo no século passado.

O discurso da modernidade de que vem  aí “Uma Nova Gravatá” não passa de chavão para mobilizar a militância e assim fazer o espetáculo. Na verdade a campanha política é muito mais espetáculo, teatro, do que debate de propostas e projetos para o povo.

Não estamos mais no tempo de após a realização de um evento político termos que bancar a limpeza (através de nossos impostos) que um líder com seus liderados provocou. A lei deveria obrigar que terminado o evento a limpeza das ruas seria obrigação dos empresários que a causou.

Quem assistiu a carreata política do ex-prefeito de Gravatá, Joaquim Neto, pode observar a sujeira que ficou nas ruas depois do evento: restos de adesivos, fitas, bandeiras, sacos de sanduíche, panfletos, cartazes, copos descartáveis, baneres rasgados, restos de camisas de candidatos, enfim um verdadeiro lixão na principal avenida de Gravatá, causando uma péssima imagem para a cidade.

A proposta da Nova Gravatá poderia começar com a limpeza da rua no fim da programação. Mas, como não somos um país desenvolvido a exemplo do Japão, que ao final de cada jogo do seu time deixava o estádio completamente limpo, então eu venha uma legislação que obrigue o partido responsável pelo evento a entregar a rua do mesmo jeito que encontrou.

27 de setembro de 2014 às 11:58h

A eleição de Gravatá é para deputado federal e ponto final

A cada dia fica mais claro o que eu disse a respeito de que a eleição de Gravatá que vai definir os destinos da cidade e dar um recado aos líderes políticos é a eleição de deputado federal.

Se você votar em Rafael Prequé vai está dizendo que se decepcionou com Bruno Martiniano, que não esperava que ele fizesse o que está fazendo e que faltasse com o respeito com a população como ele faltou num programa de rádio, além de não ter cumprido nenhuma promessa e por isso vai votar em Rafael.

Se você votar em Rafael vai está dizendo que não quer que Joaquim Neto volte para a prefeitura daqui a dois anos, porque ele já teve a sua oportunidade e agora é a hora de um jovem filho de Gravatá assumir, porque os que vieram de fora não foram muito bons para a cidade.

Se você votar em Rafael vai dizer que está votando na mudança, na defesa de Gravatá, que agora quer um gravataense que nasceu aqui, que vive aqui, que investe aqui e que vai administrar com atenção e com respeito ao povo.

Se você votar em Sebastião Oliveira do PR, lá de Serra Talhada, vai está votando em Bruno Martiniano e dizendo que está gostando da gestão delem, que ele é um bom prefeito, que você quer que ele continue na prefeitura e que vai votar nele para ser reeleito e passar mais seis anos na prefeitura (dois que faltam e seis da reeleição).

Se votar em Bruno Araújo estará votando em Joaquim Neto e dizendo que não acredita em nada do que dizem a respeito dos processos que ele tem, sobre a forma como ele administra quando está no poder e que quer Joaquim Neto mais oito anos que com os sete anos que ele já passou vai somar 15 anos de prefeito.

Portanto,  o seu voto para deputado federal será o mais importante para a nossa cidade.

Se quer mudar de verdade vote em Rafael Prequé.

27 de setembro de 2014 às 11:29h

Prequé sempre esteve com a Frente Popular

preque e arraes

aliados de primeiro momento; Dirceu, Prequé e Dr. Gil com Miguel Arraes

Quem é aliado de Frente Popular desde sempre é Luiz Prequé.

Na sua página no facebook deste sábado o prefeito Bruno Martiniano tenta justificar a salada eleitoral que é a sua chapa com candidatos do PSB, do PTB, do PR afirmando que Paulo Câmara sabe quem é aliado de primeiro momento.

O prefeito está corretíssimo!

O candidato a governador Paulo Câmara sabe quem sempre esteve com a Frente Popular de Pernambuco em Gravatá. Ele sabe, porque ele conviveu com Eduardo e ainda convive com Adilson Gomes, Evaldo Costa, Waldemar Borges e tantos outros que junto com o ex-governador e também com o avô dele Miguel Arraes visitaram Gravatá várias vezes e foram numa sempre numa casa da rua sete de setembro, que nem precisa dizer de quem é.

Só para relembrar quem sempre esteve com a Frente Popular de Pernambuco publicquei a foto acima com Seu Dirceu da Farmácia, Luiz Prequé, Miguel Arraes e Dr. Gil, quando da visita de Miguel Arraes em 1986, como governador de Pernambuco.

Arraes veio visitar o seu aliado de sempre que é e sempre foi Luiz Prequé.

Quem muda a cada eleição não pode cobrar compromissos de ninguém.

27 de setembro de 2014 às 10:39h

Justiça obriga Câmara de Gravatá a nomear assessores para os gabinetes dos vereadores da oposição

 

Os vereadores Luiz  Prequé, Júnior de Obras, Léo do Ar e Júnior de Paulo entraram com Mandado de Segurança (Processo nº 00025-07.2014.8.17.0670) para ter  direito aos dois assessores de cada gabinete, previsto na Lei 3609/2012 e cuja nomeação vinha sendo negada  pelo atual presidente da casa Pedro Martiniano Lins.

Para sua defesa o presidente alegou duas situações que os cargos era de livre provimento e que a nomeação estava dentro do critério de oportunidade e conveniência da autoridade, logo caberia ao presidente a escolha de quem nomear e para quem nomear.

Na sua sentença a juíza manda o presdiente da câmara nomear os assessores dos vereadores da oposição escolhidos por eles próprios porque a retaliação configurada na ação do presidente estaria provavelmente dentro de critério ilegal.

“…em razão de ato supostamente ilegal do Presidente da Câmara que estaria prejudicando direito líquido e certo dos impetrantes”.

Continuando ela diz:

“Não há que se falar aqui em liberalidade de não nomear; a citada Lei não permite essa postura, quando houver a indicação dos dois nomes que ocuparão os referidos cargos pelo titular de cada gabinete. Uma vez criados os cargos por lei e indicados os seus ocupantes, não resta outra opção ao Presidente da Câmara de Vereadores, senão cumprir os exatos limites por ela delineados”.

Mas na frente a juíza reforça que o Mandado de Segurança “constitui uma ação civil para a tutela das liberdades públicas, quando não amparadas por habeas corpus ou habeas data, quando o responsável pela ação ou omissão ilegal ou abusiva for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público”.

Para justificar sua decisão de mandar nomear os assessores da oposição a juíza informa:

“No caso em apreço a liquidez e a certeza do direito se encontram evidentes! Saltam aos olhos! Pois a Lei Municipal 3.609/12, não dá margem a dúvidas, já que criou, efetivamente, para cada gabinete de vereador dessa Edilidade um cargo de chefe de gabinete e um cargo de assessor, frisem-se ambos sem concurso público”.

Além disso, segundo a juíza a livre nomeação pelo presidente só se dá quando for através de concurso, o que não é o caso em tela:

“No que se refere ao segundo argumento de que os dois cargos de provimento comissionado, criados pela citada Lei, por serem de livre nomeação e exoneração do Presidente da Câmara Municipal de Gravatá/PE, o desobrigaria de proceder com as nomeações, não prospera. Pois, a liberalidade aqui ocorre apenas em relação ao concurso público, nesse caso, o concurso não se mostra obrigatório e, por isso, há a discricionariedade”.

Concluindo a juíza mostra que:

“Não há que se falar aqui em liberalidade de não nomear; a citada Lei não permite essa postura, quando houver a indicação dos dois nomes que ocuparão os referidos cargos pelo titular de cada gabinete. Uma vez criados os cargos por lei e indicados os seus ocupantes, não resta outra opção ao Presidente da Câmara de Vereadores, senão cumprir os exatos limites por ela delineados”.

Caso o presidente da câmara Pedro Martiniano Lins não proceda a imediata nomeação dos assessores dos vereadores da oposição além, de infringir uma decisão judicial será obrigado a pagar multa diária de R$ 5.000 (cinco mil reais).

Portanto a justiça obriga Pedro Martiniano a nomear os assessores dos vereadores de oposição.

26 de setembro de 2014 às 14:36h

O discurso de Dilma na ONU

Pela primeira vez na história deste País ou como diz pão Lula, nunca antes na história desse País, se viu um presidente ir à sede da ONU fazer a abertura da conferência e dizer tantas bobagens, como disse a nossa comandante Dilma Roussef.

Em primeiro lugar sugeriu aos Estados Unidos sentarem numa mesa de negociação com os membros do Estado Islâmico. Aqueles que aparecem de forma muito mal educada nos vídeos, segurando armas, facas e degolando prisioneiros, numa atitude claramente demagógica.

Em segundo lugar usou um espaço de representação constitucional com objetivo de produzir imagens para seu guia eleitoral, transformando a tribuna da ONU num palanque político.

Além disso o próprio discurso foi todo voltado para a sua campanha num claro desrespeito aos princípios constitucionais brasileiros, que prega a impessoalidade na representação do cargo.

Assim num só ato a nossa presidente, ou presidenta como ela se denomina, ou presidanta como a abusam serviu de galhofa com a sua proposta aos EUA, usou indevidamente o cargo que ocupa e se transformou numa tragicomédia.

26 de setembro de 2014 às 11:32h

A visita de Paulo Câmara à casa de Luiz Prequé

paulo camara na casa de Prequé

Um gesto simbólico carregado de significado

Um gesto aparentemente simples, mas de grande significado simbólico quando um candidato a governador em primeiro lugar nas pesquisas, com uma agenda de 24 horas super lotada e com centenas de pendências de milhares de candidatos em todo estado, abre mão de tudo isso para visitar um aliado.

Esta atitude só vi em poucos líderes políticos: Miguel Arraes, Eduardo Campos e Jarbas. Isto demonstra que o candidato reconhece o trabalho em prol do grupo que foi feito pelo visitado, não apenas em numa eleição, mas durante toda uma vida política.

A visita do candidato Paulo Câmara a Luiz Prequé representa uma sinalização de que quando eleito não vai trocar amores antigos, por amores novos e sem consistência, principalmente sem confiança, sem sinais de lealdade e com claros indícios de traições sistemáticas, uma em cima da outra.

A vista de Paulo Câmara também amplia a certeza de Rafael Prequé de que está no caminho certo buscando o espaço político que lhe cabe por direito, em função de seu compromisso com a frente popular em todos os momentos de sua vidam, desde criança até o instante em que decidiu que era hora de ser candidato.

Foi candidato a vice-prefeito atendendo apelo do PSB e foi candidato a deputado federal atendendo apelo do ex-governador Eduardo Campos que precisava da candidatura de Rafael para fortalecer seu projeto presidencial na cidade de Gravatá.

Portanto, é um simples gesto mas que traz no seu bojo uma mensagem muito importante a de que Paulo Câmara não esquece os amigos, não esquece os que sempre estiveram com ele.

26 de setembro de 2014 às 10:14h

Caminhada de Rafael Prequé – uma análise fria e distante da emoção

Gravatá tem um novo líder político: Rafael Prequé

Ontem iniciei o acompanhamento dos porta-a-porta dos líderes políticos de Gravatá apresentando seus candidatos ao povo.

Acompanhei a caminhada de Rafael Prequé, pela rua 21 de abril, seguindo pela Ipojuca e terminando na rua Mateus de Melo. Uma coisa que me chamou a atenção foi a facilidade com que o vice-prefeito e candidato a deputado federal pelo PSB com o número 4055 se relaciona com a população.

Outro detalhe que também chama a atenção é a forma como ele é recebido pelo povo. Todos indistintamente abrem as suas portas e ele entra nas casas como se fosse um membro da família, como se fosse aquele menino que foi criado como os filhos e agora retorna adulto, preparado e vem para matar a saudade e para ajudar.

Como sempre faço nestes momentos, gosto de escutar os comentários um pouco afastado do burburinho, assim meio sorrateiramente escuto as conversas de quem está longe da multidão que acompanha o candidato. E o que ouvi mostrou que a população aceitou com muita tranquilidade a sua candidatura e está absorvendo o seu discurso de renovação, o seu discurso de mudança.

Na rua Ipojuca uma família fez questão de chamar Rafael e reclamar porque até aquela data ainda não tinham colocado cartazes com a foto dele na frente da residência, o que caracteriza uma inversão de papéis pouco vista na política, porque em geral é o candidato que apela para que coloquem seus cartazes.

O que vi comprova o que disse antes, nasce em Gravatá um líder político com futuro, com coragem, com perspectiva de poder e acima de tudo com uma popularidade e com um carisma como nunca se viu antes na história dessa cidade e por isso ninguém, nem eu, vai desistir de Gravatá.

No seu discurso na rua Mateus de Melo, Rafael mostrou que não está disposto a aceitar os desmandos da atual gestão, afirmou que vai lutar junto com seu grupo para botar para fora da prefeitura (no voto) a família Martiniano. Disse ainda que a cidade não pode continuar com o desmando e com o desrespeito do atual gestor com a população

Continuando disse que o projeto de renovação começa com a sua candidatura e vai continuar não de quatro em quatro anos, mas todo dia, toda hora, em todo lugar, em todo momento e a candidatura de deputado federal é o primeiro passo para a mudança. Pediu votos para seus candidatos Joaquim Lira estadual, Paulo Câmara governador e Fernando Bezerra sendaor e disse que o seu objetivo é defender Gravatá.

25 de setembro de 2014 às 21:44h

Joaquim Neto demorou, mas decidiu: Fica com Paulo Câmara e FBC

joaquim com paulo câmara

FBC, JN e PC

Meu pai dizia que o cavalo carregado de açúcar, até o rabo é doce. E o cavalo de Paulo Câmara tá tão doce que tem gente que não faz questão de segurar na ponta do rabo.

A chegada de Joaquim Neto no palanque de Paulo Câmara não tem mais nenhum efeito relacionado com a sucessão de Gravatá, porque Joaquim Neto tomou a sua decisão muito tarde, quando Paulo Câmara está na frente nas pesquisas.

Se ele tivesse tomado essa decisão lá atrás, quando Paulo tinha 30 pontos a menos do que Armando o seu apoio seria muito mais valorizado. Dessa forma Joaquim Neto comete o mesmo erro que cometeu quando apoiou Eduardo Campos e Armando Monteiro nas eleições passadas e depois não obteve nenhum retorno.

Evidentemente, que não sei as bases do acordo de Joaquim e de Paulo, mas tenho a certeza de que Paulo Câmara como governador vai trabalhar para garantir que Joaquim Neto consiga o registro da sua candidatura para disputar o cargo de prefeito em 2016. Porém, isto não significa que ele vá declarar apoio a Joaquim Neto, a Bruno Martiniano ou a Rafael, mesmo Rafael sendo do PSB. Ele ficará neutro na eleição de Gravatá.

Entretanto, a vinda de Joaquim Neto para o palanque de Paulo facilita uma negociação com Rafael Prequé, caso Joaquim Neto não possa ser candidato e assim poderá indicar o vice da chapa de Rafael, tornando o seu apoio fundamental para unir a oposição e garantir a vitória de Rafael.

De toda sorte só quem teve prejuízo com essa novidade foi o atual prefeito Bruno Martiniano que agora não vai ter tanta “liberdade” no palácio como julgou que teria se somente ele e Rafael estivessem apoiando o candidato a governador que deve ser eleito em cinco de outubro.