13 de outubro de 2014 às 08:18h

Estilo de governar do prefeito Bruno Martiniano

Mais uma vez o prefeito de Gravatá recorre a uma decisão caseira e nomeia para a secretaria de Saúde uma pessoa de Gravatá. Deve inclusive ser elogiado por essa atitude, pois prova que em Gravatá temos pessoas competentes para assumir as secretarias da prefeitura sem precisar importar técnicos, que passam quatro anos na nossa cidade, se locupletam do poder e depois vão embora, deixando as dificuldades para nós que somos gravataenses.

O que se espera é que a gestão dos gravataenses a frente das secretarias para as quais foram nomeados, não sejam gestões de faz de conta. Quem assumir uma pasta na cidade, tem que ter a dignidade de entregar o cargo, no caso de ingerência de outras forças políticas na sua área.

Assim também deve cobrar do prefeito  que ele atue na sua esfera de comando, sem ultrapassar os limites do secretário, para que ele não se desmoralize junto aos funcionários e comissionados sobre os quais tenha autoridade.

A senhora Aglaine, assume a secretária de saúde e já começa a trabalhar. É importante que ela na sua gestão lembre-se de duas coisas: a primeira o cargo é passageiro; a segunda nada é mais importante do que a nossa consciência.

Que ela não se dobre a interesses escusos, a licitações irregulares, a desmandos administrativos, a desvios de condutas, a casos de improbidade administrativa, a prevaricação, pois estará cavando um poço sem fundo, no qual vai descer para o resto da sua vida.

Que ela ultrapasse as fronteiras de Gravatá, indo buscar os projetos onde for preciso e que tenham como objetivo melhorar a saúde do povo de Gravatá. Que ela seja uma secretária de fato e de direito como já é. Que não se torne mais uma marionete nas mãos do prefeito Bruno Martiniano.

E tudo isso, por um motivo simples, porque qualquer erro na área dela, pode significar a perda de uma vida. E, nesse, caso o seu comportamento já sai dessa esfera para uma outra que é eterna.

Portanto, desejo sucesso, à nova secretária de saúde.

12 de outubro de 2014 às 07:31h

Domingo é dia de poesia: Nordeste Independente

Como estamos no meio de um debate eleitoral e como temos visto na Internet muitas críticas ao nosso Nordeste e ao nosso povo, publico hoje uma poesia que é um marco na demarcação de espaço político entre regiões, feita pelo mestre Ivanildo Vilanova para combater a discriminação dos sulistas com os nordestinos. Nesta poesia que virou música com centenas de artistas, e tonou-se um clássico com a voz de Elba Ramalho, o repentista, poeta e cantador mostra como o Sul e Sudeste são dependentes de nossas riquezas. Vamos aos belos versos de protesto e reafirmação de personalidade.

Nordeste Independente

Já que existe no sul esse conceito

Que o nordeste é ruim, seco e ingrato
Já que existe a separação de fato
É preciso torná-la de direito

Quando um dia qualquer isso for feito
Todos dois vão lucrar imensamente
Começando uma vida diferente
De que a gente até hoje tem vivido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

Dividindo a partir de Salvador
O nordeste seria outro país
Vigoroso, leal, rico e feliz
Sem dever a ninguém no exterior

Jangadeiro seria o senador
O cassaco de roça era o suplente
Cantador de viola, o presidente
O vaqueiro era o líder do partido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

Em Recife, o distrito industrial
O idioma ia ser nordestinense
A bandeira de renda cearense
“Asa Branca” era o hino nacional

O folheto era o símbolo oficial
A moeda, o tostão de antigamente
Conselheiro seria o inconfidente
Lampião, o herói inesquecido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

O Brasil ia ter de importar
Do nordeste algodão, cana, caju
Carnaúba, laranja, babaçu
Abacaxi e o sal de cozinhar

O arroz, o agave do lugar
O petróleo, a cebola, o aguardente
O nordeste é auto-suficiente
O seu lucro seria garantido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

Se isso aí se tornar realidade
E alguém do Brasil nos visitar
Nesse nosso país vai encontrar
Confiança, respeito e amizade

Tem o pão repartido na metade
Temo prato na mesa, a cama quente
Brasileiro será irmão da gente
Vai pra lá que será bem recebido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

Eu não quero, com isso, que vocês
Imaginem que eu tento ser grosseiro
Pois se lembrem que o povo brasileiro
É amigo do povo português

Se um dia a separação se fez
Todos os dois se respeitam no presente
Se isso aí já deu certo antigamente
Nesse exemplo concreto e conhecido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

Povo do meu Brasil
Políticos brasileiros
Não pensem que vocês nos enganam
Porque nosso povo não é besta

11 de outubro de 2014 às 07:44h

A transferência de votos de Rafael e Joaquim Neto para seus candidatos

Mais uma vez Joeides Pereira tenta desconstruir a espetacular vitória de Rafael Prequé sobre o seu líder Joaquim Neto. Foi aos microfones da Rádio Nova 106,7 Fm e disse que não houve reconhecimento do povo de Gravatá com a candidatura de Rafael Prequé a deputado federal.

Em seguida falou a respeito da transferência de votos de Rafael e Joaquim Lira fazendo comparações com a quantidade de votos de Bruno Araújo e Alberto Feitosa. Em primeiro lugar é preciso destacar que essa comparação está sendo feita de forma equivocada porque Joaquim Neto não foi candidato a deputado federal.

Não dá para comparar alhos com bugalhos.

Assim não saberemos quantos votos ele teria, caso estivesse disputando com o seu nome ao invés de pedir votos para Bruno Araújo. Entretanto, podemos pegar a eleição anterior e fazer as contas relacionadas a quantidade de votos que ele teve quando foi candidato a prefeito e foi derrotado por Bruno Martiniano, atual prefeito.

Ora, se Joaquim transferiu sozinho para Bruno Araújo e para Alberto Feitosa, algo em torno de 6.800, então Cabe destacar que foi Joaquim que deu esses votos, sem precisar da ajuda de Léo do Ar, que conforme a colocação de Joeides dá a entender que o vereador não tem votos, já que os votos são de Joaquim Neto.

E se Joaquim na última eleição teve perto de 19.000 e deu 6.800, então ele transferiu apenas, 30%. Enquanto que Rafael que teve 7.400 e deu a Joaquim Lira mais de 3.000, então Rafael transferiu quase 50%, portanto, transferiu mais do que Joaquim Neto. Isso é matemática. Sofismar é esconder isso.

Assim concluímos que nas duas questões: 1ª – na quantidade de votos 7.400 é maior do que 6.800 e então Rafael venceu; e na 2ª – questão de transferência de votos, Rafael transferiu quase 50% contra 30% de Joaquim Neto e, portanto, também venceu.

Vamos esperar a terceira argumentação de Joeides porque essas duas são fracas e sem consistência e mostra um desespero antecipado por uma eleição que vai ocorrer daqui a dois anos, num novo quadro eleitoral onde o povo quer mudança e um novo jeito de fazer política.

10 de outubro de 2014 às 06:26h

Rafael é o novo líder político de Gravatá

O reconhecimento ao trabalho das pessoas é sinônimo de respeito

A grande diferença de Rafael Prequé para a maioria dos líderes políticos de Gravatá é a do respeito para com as pessoas. Muitos líderes de Gravatá não dão atenção a ninguém, fingem que dão.

Rafael além de ter votos – foi o candidato a deputado federal mais votado nas últimas eleições, derrotando os candidatos do atual prefeito Bruno Martiniano e do ex-prefeito Joaquim Neto de uma só vez – tem uma característica muito particular, muito dele que é a de ouvir e é isso que causa empatia com a população e que o faz ser elogiado por todos, tanto da oposição quanto da situação.

Muitos líderes de Gravatá são egocêntricos, mandões, autoritários, arbitrários, decidiu está decidido. Não escutam ninguém, não debatem e não aceitam sugestões. São os maiorais. São os donos do poder.

É nisso que Rafael se diferencia. Ele escuta, ele debate, ele acata, ele decide em conjunto. Veja como fala os liderados  de outros políticos. “Ele fez isso, fez aquilo, tomou a decisão, resolveu. Veja quando estes líderes estão falando, estufam o peito. Eu vou fazer. Tem que ser Assim. É do meu jeito.

Em geral esses líderes tem um grupinho que forma um raio de força e o deixa blindado.  Não entra mais ninguém. São sempre os mesmos defendendo, ganhando os benefícios e o restante é apenas massa de manobra e votos para que eles ganhem a eleição.

É essa situação que está mudando.

Rafael pensa diferente, ele não diz “eu fiz, eu decidi”. Ele diz “o nosso grupo discutiu, o nosso grupo concordou, o nosso grupo vai fazer assim”. Isso é uma grande diferença na política. É isso que faz um novo gestor. É isso que mostra o que é um gestor moderno. É isso que provoca a mudança.

Respeito é tudo.

9 de outubro de 2014 às 23:11h

Quem de fato venceu as eleições em Gravatá? Uma resposta ao amigo Joeides Pereira!

Com uma matéria que começa com a seguinte pergunta: Quem de fato venceu as eleições em Gravatá?  Joeides tece uma série de considerações com o objetivo claro de tentar mostrar para a população que o potencial de Joaquim Neto continua o mesmo, quando as urnas disseram quem não está mais.

Analisemos as suas colocações na ordem em que ele as colocou.

Em primeiro lugar ele afirma que se depara com o meu sofisma (?) defendendo algo falso e enganando o povo. Em seguida diz que venho forçando a barra e querendo alçar Rafael Prequé à condição de maior liderança municipal. Pelo que ele postou, entendo que o “sofisma”, a que se refere – é quando ele diz sobre a minha suposta tentativa de construir uma falsa imagem de um líder, baseada numa falsa liderança, alegando que defendo algo falso.

Talvez depois ele explique melhor a qual sofisma se refere.

Mas, partindo do princípio que o sofisma tenha sido este que deduzi, começo discordando dele quando diz: “Deputado Federal por Gravatá – e só em Gravatá”, percebemos que ele não acompanhou a votação e não viu que o jovem Rafael teve mais dois mil votos fora de Gravatá, logo não foi só em Gravatá. Este é o primeiro erro dele, uma avaliação precipitada e incorreta, por que em Gravatá o jovem Rafael teve 7.400 votos e no estado pouco mais de 9.000.

Em seguida afirma que forço a barra para alçar Rafael à condição de maior liderança de Gravatá. Ou Joeides passou muito tempo na economia ou está esquecendo um princípio básico da política: é líder quem tem liderados, é líder quem tem votos, e é o maior líder quem tem mais votos. Nas três situações Rafael preenche os requisitos: tem liderados (vários); tem votos (provou isso nas urnas) e é o maior líder político de Gravatá porque foi o mais votado da cidade, simples assim.

Não se pode sofismar o que as urnas dizem, voto é voto. Seco, cru, sem tempero de marketing. Pode-se tentar esconder a realidade, pode-se querer camuflar a verdade, abafar, passar por cima, como se está tentando fazer neste caso.  Porém contra números não há argumentos: 7.400 é mais do que 6.858, a não ser que tenham mudado a matemática e ele como economista esteja sabendo disso e eu não.

Continuando, ele afirma com propriedade e reconhece que todas as candidaturas colocadas na cidade tiveram o objetivo de se posicionar contra a atual administração e de se referenciar para disputar a prefeitura em 2016. Nada mais lógico, óbvio e verdadeiro do que um filho de Gravatá querer ser prefeito da cidade onde nasceu. Nada mais normal do que dar o primeiro passo nesse projeto e depois o segundo.

Rafael deu o primeiro passo para ser prefeito de Gravatá quando aceitou ser o vice do atual prefeito. Deu o segundo passo quando percebeu que ele não cumpriria os compromissos com o povo e rompeu com ele, do mesmo jeito que Joaquim Neto rompeu com Sebastião, sem diferença, e fez certo, pois ele precisa lutar para tirar a prefeitura da mão daqueles que não melhoram a vida da população, só de alguns que fazem parte de seus grupos políticos.

Nestas eleições de 2014, Rafael deu o terceiro passo para ser prefeito de Gravatá, aceitou o convite do ex-governador Eduardo Campos e do seu cunhado Joaquim Lira para ser candidato a deputado federal, pois a região não tem nenhum nome da terra em Brasília (da terra é Vitória, Pombos, Chã Grande, Bezerros, tem deputado estadual, mas não tem federal, só tem em Caruaru: Wolney Queiroz). Eduardo precisava dele para ajudar na campanha presidencial e Joaquim Lira precisava dele para ajudar na campanha de deputado estadual e Joaquim Lira ganhou, é deputado estadual e vai ajudar mais ainda Gravatá trazendo projetos para a cidade.

Aliás, Joaquim Lira já ajuda Gravatá, pois é empresário e gera empregos e renda para o povo.

Depois ele afirma que os votos dos dois só serviu para se posicionar para 2016. Ele esquece ou quer esquecer que os votos de um candidato proporcional ajuda a outro, desde que estejam na mesma aliança e ao que me consta Bruno Araújo e Rafael Prequé faziam parte da mesma coligação, logo os votos de Rafael ajudou a eleger os deputados federais da frente popular. Novamente é matemática e ele deveria como economista saber disto.

Mas vamos nos ater a questão de Gravatá, ele fala em bairrismo, candidatos da “terra” e fala que os eleitores que votaram em Rafael foram enganados. Sofisma é isso: uma mentira maqueda por argumentos verdadeiros. A mentira é dizer que os dois sabiam que não tinham condições de se eleger. Ele presume, ele profetiza, ele advinha, ela acha, ele que os dois já sabiam dos resultados das urnas. Ora, tanto Darita, quanto Rafael foram buscar votos dentro das suas condições, assim como Kaio Maniçoba de Floresta que também foi buscar voto com o que tinha e derrotou candidatos bem mais fortes e hoje é deputado com um sexto dos votos que Alberto Feitosa teve.

Portanto, usar o argumento verdadeiro de que eles são da terra e se posicionaram para 2016 e depois querer dar uma de advinho dizendo que já sabia do resultado e que eles não iam ganhar é no mínimo inaceitável e é sofisma. Marco Maciel diz que em eleição e em mineração só se sabe do resultado depois da apuração. Mas agora temos em Gravatá temos o “Pai Joeides” que advinha tudo.

Outro argumento maldoso, descabido e com interesse claro de atingir os dois candidatos: Darita e Rafael, é quando ele diz que os dois enganaram os eleitores que votaram neles, pois sabiam que não ganhavam. Como líder político, como avaliador de eleições seria bom que ele, pelo menos se nivelasse com as mudanças na legislação para saber que mesmo sem ter ganho, os dois podem articular os projetos que prometeram.

Ele não sabe, mas há instrumentos legais que permitem a qualquer cidadão apresentar projetos para o bem da coletividade sem ter mandato eletivo, como os projetos de lei de inciativa popular. E se ele teve a preocupação de observar a eleição, Rafael foi o único que teve um Plano de Ação Parlamentar que será tocado por Joaquim Lira na Assembléia e por um deputado federal na Câmara Federal.

Portanto é falácia falar em bairrismo, em candidato da terra. Ele quer destruir desde agora porque sabe que é isso que vai balizar as eleições de 2016. O povo de Gravatá quer um candidato da terra na prefeitura, quer um filho de Gravatá dirigindo os destinos do povo de Gravatá. O eleitor está dizendo que basta de colocar gente de fora na prefeitura.

Depois ele argumenta que tem dificuldade em entender como pode ter sucesso uma candidatura lançada a 90 dias da eleição. Ele só não tem dificuldade de entender que Joaquim Neto e ele também entraram na campanha de Paulo Câmara na última semana. Entraram com o andor já pronto, o santo láa em cima, era só fazer de conta que carregava.

Ele fala de vingança….Aqui eu só vou dizer o que estou escutando da população: “Cansamos dessa briga de azul e vermelho” só isso! Mas nada! Se tem briga é lá. Não é com Rafael. Se tem vingança é lá. Não com o grupo de Rafael.

Mais uma vez ele fala que se os acordos tivessem sido cumpridos Rafael não seria candidato. Aqui cabe uma pergunta direta: Joeides por que você rompeu com Ozano? Respondo: porque ele não deu o cargo de Ouvidor da Prefeitura que prometeu. É assim que funciona, amigo, você sabe disso. Não cumpriu rompe, cumpriu fica! Porque JN rompeu com Ozano?

Para justificar a falta de argumentos o sofisma e a falácia vai buscar comparações com a candidatura de Joaquim Neto para deputado estadual em 2010. Mostra que JN teve 13.100 votos na cidade de Gravatá e 25.100 em todo estado. Ele não diz e não mostra qual era a conjuntura que a gente tinha naquela data, mas eu vou reavivar a memória dele:

Quando Joaquim Neto saiu candidato a deputado estadual em 2010, ele estava rompido com Ozano que ele tinha botado na prefeitura e que não teve controle sobre ele. Já imaginou a situação de JN, botou um aliado na prefeitura e o aliado não deixava ele dar pitaco…..Ozano em 2010, prefeito de Gravatá e querendo ver JN bem longe, deu a carga na campanha dele para estadual, do mesmo jeito que deu a carga em Bruno em 2012 para JN não voltar e ele não voltou.

Tenho uma foto dessa campanha – uma feijoada na casa de um amigo comum – em que JN e Ozano se abraçam – parecem aqueles duelos de UFC e os dois se olham daquele jeito dos lutadores. Joaquim sabia que jogava todas as suas cartas naquela eleição de deputado era a sua salvação. Se ele tivesse ganho não estaria na situação que está hoje….

Ao falar da transferência de votos que Joaquim Neto proporcionou aos seus candidatos ele esquece de alguns detalhes:

1º – Para Joeides, Léo do Ar não tem votos. Se foi Joaquim Neto quem deu a votação dos dois, então Léo do Ar não tem voto nenhum em Gravatá e todo trabalho que ele faz na Câmara e como vereador é em vão.
2º – Ele esquece (de novo, isso é que é uma falta de memória braba) que Bruno Araújo e Alberto Feitosa sempre tiveram uma boa votação em Gravatá independentemente de terem apoios locais, em função de serem candidatos de classe média e terem muitos amigos que tem casa em Gravatá e votam em Gravatá.

Conheço Bruno Araújo desde 1988 quando ajudei na campanha do pai dele Eduardo Araújo em Chã Grande e depois na sua própria quando substituiu o seu pai. E Alberto Feitosa como secretário de turismo e com as obras que trouxe, com Ozano, era Ozano o prefeito, ele se credenciou para ter uma boa votação.

Com relação a transferência de votos para Joaquim Lira foi a estimada pela coordenação, pois era preciso concentrar no nome e na imagem de Rafael já que ele vai ser o próximo prefeito de Gravatá, em 2016, e os eleitores precisavam saber que chegou a hora de mudar de verdade, votando num filho da terra, pois o último prefeito de Gravatá que nasceu aqui foi Arão Lins e depois Silas.  Faz um bocado de tempo einh, Amigo Joeides… ?.

Mas 2016 vem aí e quem achava que a candidatura de Rafael não ia dar em nada, começa a se preocupar….

9 de outubro de 2014 às 07:51h

Carnaval de 2015 do Recife homenageia Eduardo Campos

O prefeito Geral Júlio que deve assumir cargo na executiva nacional do PSB anuncia que o homenageado do carnaval 2015 de Pernambuco, será o ex-governador Eduardo campos, falecido o dia 13 de agosto em acidente aéreo, durante a campanha presidencial, na qual disputava contra o PT e o PSDB.

9 de outubro de 2014 às 07:40h

Sindicato dos Servidores Públicos de Gravatá aciona Ministério Público contra atraso de salários

Em ofício (88/2014) encaminhado ao Ministério Público, o Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Gravatá, solicita que seja feito um termo de ajustamento de conduta a fim de estabelecer um calendário de pagamento dos salários dos funcionários.

No documento o sindicato cita que os atrasos são reincidentes e deseja que sejam resguardados os direitos do trabalhador.

ofucio do sindsgra

9 de outubro de 2014 às 07:29h

PATERNIDADE – A MAIOR OBRA DE DEUS – Igreja Batista Renovada de Gravatá

“Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção”. (Gn 12:1,2)

Abençoaaaaaados, shalom. Que bom estarmos juntos para mais um estudo celular. Estamos começando mais um mês… Outubro, será “O Mês”; Isto mesmo, o Pr Renan profetizou que teríamos um bimestre de Obras Maiores e, de fato, estamos vendo pessoas que não tinham emprego começando Outubro trabalhando… Muitos irmãos tem experimentado um renovo sobrenatural do Senhor e grandes obras da parte do nosso Deus.

Este final de semana foi maravilhoso! A nossa Conferência de Aniversário realmente foi tremenda. Desde o início, quinta dia 02, primeiro dia do aniversário da igreja, Deus nos presenteou com o nascimento de Brisinha. Aquele seria o primeiro sinal de que o Senhor derramaria vida e faria obras maiores no meio da igreja. Vimos o agir do nosso Deus em todos os momentos: As ministrações do Pr. Arthur foram poderosíssimas, revelando o Deus das Obras Maiores, a Paternidade como plano maior da vontade de Deus para humanidade e as Obras maiores na família. As participações dos grupos da igreja foram lindas para glória de Deus, e também, muito proveitoso nosso intercâmbio com outras comunidades como a Igreja Batista Independente de Natal – RN e ministérios como Viva Voz, Rochia e Ronaldo Cavalcante. No Domingo, último dia da Conferência, fomos confrontados pela mensagem desafiadora do Jornalista Thomás de Aquino que mostrou os passos para irmos ao lugar da fartura: 1- Sair do anonimato; 2- Ter alegria e 3- Paz em Jesus. Que bom estarmos juntos para agradecer a Deus pela vida e trabalho da nossa igreja, como é bom termos motivos de sobra para adorar ao Senhor vendo suas Obras Maiores na igreja.

O estudo celular desta noite foi extraído da ministração do sábado: Paternidade – A maior Obra de Deus.
Em Gênesis 1:28, Deus abençoou o homem e a mulher para MULTIPLICAR – “E Deus os abençoou e lhes disse: FRUTIFIQUEM, MULTIPLIQUEM…” Ele fez o homem para ser Pai de multidões, fez a mulher para ser Mãe de multidões. A PATERNIDADE é a maior obra de Deus, porque quando você enxergar a sua importância passará a se importar em ganhar vidas anunciando Jesus a tempo e fora de tempo. Tudo o que você fizer vai usar para GANHAR vidas. “mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto PERMANEÇA”(Jo 15). Nossa missão é GANHAR e CONSOLIDAR pessoas para Jesus e isto apenas acontecerá se tivermos o DNA da paternidade. Mas afinal, o precisamos aprender acerca da Paternidade bíblica?
1 – A PATERNIDADE EXISTE PARA GANHAR TODOS A SALVAÇÃO – (Jo 3:16) “Deus amou o mundo de tal maneira que deu Jesus para que TODO aquele que Nele crer tenha a VIDA ETERNA” mas, como crerão se não ouviram? Como ouvirão se não pregarem? Abraão ouviu de Deus que ele seria pai de MULTIDÕES, seus filhos seriam como estrelas do céu e areia do mar. Deus mudou seu nome de Abrão (pai elevado) para Abraão (pai de multidões).

2 – A FORMA DE FALAR REVELA A UNÇÃO DE PATERNIDADE –(Jo 21:5) “Perguntou-lhes Jesus: FILHOS, tendes aí alguma coisa…” Observe que Jesus tratava seus discípulos de filhos e logo depois João arrastou uma MULTIDÃO de grandes peixes. O apóstolo João tinha a unção de paternidade e também chamava assim seus discípulos: I Jo 2:1 “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis…” O apóstolo Paulo também admoestava como PAI: “Não vos escrevo estas coisas para vos envergonhar; pelo contrário, para vos admoestar como a FILHOS amados.”

3 – A UNÇÃO DA PATERNIDADE DESATA A CURA – Durante três anos os discípulos andaram com Jesus, mas quando Jesus morreu eles caíram numa FRIEZA ESPIRITUAL e não exerceram a paternidade. Ficaram dodóis espirituais e voltaram para suas antigas profissões. Quando Jesus ressuscitou os procurou e os despertou a paternidade. Se vc Fugir da missão que Deus te deu NADA VAI ACONTECER! Se você obedecer como Pedro, Paulo e João que se tornaram pais espirituais, Deus te usará e desatará uma unção de multiplicação na tua vida, 153 grandes peixes!!!

4 – A PATERNIDADE RESTAURA A HONRA – (Malaq 1:6) “O filho HONRA o PAI, e o servo, ao seu senhor. Se eu sou PAI, onde está a minha HONRA? E, se eu sou senhor, onde está o respeito para comigo? – Filhos abençoados, se quisermos experimentar as Obras maiores de Deus em todas as áreas da nossa vida, precisamos viver na unção da Paternidade. “basta ao discípulo ser como seu mestre, e ao servo como seu senhor…” (Mt 10:24,25)

Que Deus te abençoe!!! AVISOS: NÃO FALTE A QUINTA DA UNÇÃO -19:30 h e DOMINGO AS 18H

9 de outubro de 2014 às 06:57h

Instituto Veritá coloca Aécio com 10 pontos na frente de Dilma

De acordo com o instituto, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), tem 54,2 dos votos válidos, contra 45,2 da presidente Dilma Rousseff, do PT; em votos nominais a diferença seria de 42% a 36,1%, enquanto 17,4% não sabem ou não responderam; ontem, na primeira songagem, do Paraná Pesquisas, a diferença era um pouco menor: 54% a 46%

9 de outubro de 2014 às 06:51h

PSB comunica apoio a Aécio em nota oficial

Nota oficial do PSB

Eduardo Campos e Marina Silva celebraram em 5 de outubro de 2013 o compromisso de, juntos, ofertarem ao Brasil um projeto político consistente. Pretendiam mudar o Brasil e mudar a política. Seu projeto de País altivo e soberano ganhou corpo no PSB e foi materializado na Coligação Unidos pelo Brasil, fruto da aliança também com PPS, PHS, PRP, PPL, PSL e Rede Sustentabilidade. Morto Eduardo Campos, nosso companheiro, Beto Albuquerque, integrou como vice a chapa que teve Marina na cabeça do pleito presidencial.

Apesar dos esforços, não houve êxito. As urnas reconfirmaram a conhecida dicotomia política. Uma realidade que impõe a nós a responsabilidade de uma definição diante dos projetos políticos remanescentes, face ao segundo turno das eleições presidenciais, que se realizam no dia 26.

Não podemos nos furtar ao compromisso com o futuro do Brasil, que hoje vê com pesar seu ciclo de crescimento interrompido, pondo em risco conquistas sociais obtidas. Precisamos avançar, para acabar com as iniquidades e injustiças, como condiz com a visão de uma esquerda progressista e democrática, profundamente voltada para por em marcha as necessárias transformações sociais. Mas, especialmente, não podemos nos furtar ao compromisso político assumido em vida por Eduardo. Temos o dever de levar adiante sua missão, para que seu sacrifício não se revele inútil.

Diante do exposto, o PSB reuniu hoje, em Brasília, sua Comissão Executiva Nacional, que deliberou o que se segue:

1. Indicar o apoio à candidatura de Aécio Neves, ressalvadas as realidades dos Estados, na expectativa de ver amadurecer um novo modelo de política visando o desenvolvimento e o atendimento às aspirações legitimas do povo brasileiro.

2. Essa indicação de apoio fica condicionada a acordo a ser discutido e firmado sobre bases programáticas, considerando a urgência de criar o ambiente necessário a um novo ciclo de desenvolvimento.

Brasília-DF, 08 de outubro de 2014
Roberto Amaral
Presidente Nacional do PSB