26 de setembro de 2014 às 14:36h

O discurso de Dilma na ONU

Pela primeira vez na história deste País ou como diz pão Lula, nunca antes na história desse País, se viu um presidente ir à sede da ONU fazer a abertura da conferência e dizer tantas bobagens, como disse a nossa comandante Dilma Roussef.

Em primeiro lugar sugeriu aos Estados Unidos sentarem numa mesa de negociação com os membros do Estado Islâmico. Aqueles que aparecem de forma muito mal educada nos vídeos, segurando armas, facas e degolando prisioneiros, numa atitude claramente demagógica.

Em segundo lugar usou um espaço de representação constitucional com objetivo de produzir imagens para seu guia eleitoral, transformando a tribuna da ONU num palanque político.

Além disso o próprio discurso foi todo voltado para a sua campanha num claro desrespeito aos princípios constitucionais brasileiros, que prega a impessoalidade na representação do cargo.

Assim num só ato a nossa presidente, ou presidenta como ela se denomina, ou presidanta como a abusam serviu de galhofa com a sua proposta aos EUA, usou indevidamente o cargo que ocupa e se transformou numa tragicomédia.

26 de setembro de 2014 às 11:32h

A visita de Paulo Câmara à casa de Luiz Prequé

paulo camara na casa de Prequé

Um gesto simbólico carregado de significado

Um gesto aparentemente simples, mas de grande significado simbólico quando um candidato a governador em primeiro lugar nas pesquisas, com uma agenda de 24 horas super lotada e com centenas de pendências de milhares de candidatos em todo estado, abre mão de tudo isso para visitar um aliado.

Esta atitude só vi em poucos líderes políticos: Miguel Arraes, Eduardo Campos e Jarbas. Isto demonstra que o candidato reconhece o trabalho em prol do grupo que foi feito pelo visitado, não apenas em numa eleição, mas durante toda uma vida política.

A visita do candidato Paulo Câmara a Luiz Prequé representa uma sinalização de que quando eleito não vai trocar amores antigos, por amores novos e sem consistência, principalmente sem confiança, sem sinais de lealdade e com claros indícios de traições sistemáticas, uma em cima da outra.

A vista de Paulo Câmara também amplia a certeza de Rafael Prequé de que está no caminho certo buscando o espaço político que lhe cabe por direito, em função de seu compromisso com a frente popular em todos os momentos de sua vidam, desde criança até o instante em que decidiu que era hora de ser candidato.

Foi candidato a vice-prefeito atendendo apelo do PSB e foi candidato a deputado federal atendendo apelo do ex-governador Eduardo Campos que precisava da candidatura de Rafael para fortalecer seu projeto presidencial na cidade de Gravatá.

Portanto, é um simples gesto mas que traz no seu bojo uma mensagem muito importante a de que Paulo Câmara não esquece os amigos, não esquece os que sempre estiveram com ele.

26 de setembro de 2014 às 10:14h

Caminhada de Rafael Prequé – uma análise fria e distante da emoção

Gravatá tem um novo líder político: Rafael Prequé

Ontem iniciei o acompanhamento dos porta-a-porta dos líderes políticos de Gravatá apresentando seus candidatos ao povo.

Acompanhei a caminhada de Rafael Prequé, pela rua 21 de abril, seguindo pela Ipojuca e terminando na rua Mateus de Melo. Uma coisa que me chamou a atenção foi a facilidade com que o vice-prefeito e candidato a deputado federal pelo PSB com o número 4055 se relaciona com a população.

Outro detalhe que também chama a atenção é a forma como ele é recebido pelo povo. Todos indistintamente abrem as suas portas e ele entra nas casas como se fosse um membro da família, como se fosse aquele menino que foi criado como os filhos e agora retorna adulto, preparado e vem para matar a saudade e para ajudar.

Como sempre faço nestes momentos, gosto de escutar os comentários um pouco afastado do burburinho, assim meio sorrateiramente escuto as conversas de quem está longe da multidão que acompanha o candidato. E o que ouvi mostrou que a população aceitou com muita tranquilidade a sua candidatura e está absorvendo o seu discurso de renovação, o seu discurso de mudança.

Na rua Ipojuca uma família fez questão de chamar Rafael e reclamar porque até aquela data ainda não tinham colocado cartazes com a foto dele na frente da residência, o que caracteriza uma inversão de papéis pouco vista na política, porque em geral é o candidato que apela para que coloquem seus cartazes.

O que vi comprova o que disse antes, nasce em Gravatá um líder político com futuro, com coragem, com perspectiva de poder e acima de tudo com uma popularidade e com um carisma como nunca se viu antes na história dessa cidade e por isso ninguém, nem eu, vai desistir de Gravatá.

No seu discurso na rua Mateus de Melo, Rafael mostrou que não está disposto a aceitar os desmandos da atual gestão, afirmou que vai lutar junto com seu grupo para botar para fora da prefeitura (no voto) a família Martiniano. Disse ainda que a cidade não pode continuar com o desmando e com o desrespeito do atual gestor com a população

Continuando disse que o projeto de renovação começa com a sua candidatura e vai continuar não de quatro em quatro anos, mas todo dia, toda hora, em todo lugar, em todo momento e a candidatura de deputado federal é o primeiro passo para a mudança. Pediu votos para seus candidatos Joaquim Lira estadual, Paulo Câmara governador e Fernando Bezerra sendaor e disse que o seu objetivo é defender Gravatá.

25 de setembro de 2014 às 21:44h

Joaquim Neto demorou, mas decidiu: Fica com Paulo Câmara e FBC

joaquim com paulo câmara

FBC, JN e PC

Meu pai dizia que o cavalo carregado de açúcar, até o rabo é doce. E o cavalo de Paulo Câmara tá tão doce que tem gente que não faz questão de segurar na ponta do rabo.

A chegada de Joaquim Neto no palanque de Paulo Câmara não tem mais nenhum efeito relacionado com a sucessão de Gravatá, porque Joaquim Neto tomou a sua decisão muito tarde, quando Paulo Câmara está na frente nas pesquisas.

Se ele tivesse tomado essa decisão lá atrás, quando Paulo tinha 30 pontos a menos do que Armando o seu apoio seria muito mais valorizado. Dessa forma Joaquim Neto comete o mesmo erro que cometeu quando apoiou Eduardo Campos e Armando Monteiro nas eleições passadas e depois não obteve nenhum retorno.

Evidentemente, que não sei as bases do acordo de Joaquim e de Paulo, mas tenho a certeza de que Paulo Câmara como governador vai trabalhar para garantir que Joaquim Neto consiga o registro da sua candidatura para disputar o cargo de prefeito em 2016. Porém, isto não significa que ele vá declarar apoio a Joaquim Neto, a Bruno Martiniano ou a Rafael, mesmo Rafael sendo do PSB. Ele ficará neutro na eleição de Gravatá.

Entretanto, a vinda de Joaquim Neto para o palanque de Paulo facilita uma negociação com Rafael Prequé, caso Joaquim Neto não possa ser candidato e assim poderá indicar o vice da chapa de Rafael, tornando o seu apoio fundamental para unir a oposição e garantir a vitória de Rafael.

De toda sorte só quem teve prejuízo com essa novidade foi o atual prefeito Bruno Martiniano que agora não vai ter tanta “liberdade” no palácio como julgou que teria se somente ele e Rafael estivessem apoiando o candidato a governador que deve ser eleito em cinco de outubro.

25 de setembro de 2014 às 09:23h

A visita de Paulo Câmara a Gravatá com Rafael e com Bruno dois momentos distintos

Devido ao rompimento de Rafael Prequé com o prefeito Bruno Martiniano o candidato a governador da Frente Popular, Paulo Câmara teve que se dividir em dois para não se indispor nem com Bruno que aderiu a sua campanha depois de declarar apoio a Armando Monteiro, e muito menos com os Prequé que sempre foram aliados fiéis do PSB, desde a época de Arraes e chegando até Eduardo Campos e agora Paulo Câmara, depois do trágico acidente que ceifou a vida do ex governador de Pernambuco.

O candidato ao governo de Pernambuco realizou uma caminhada pelas ruas de Gravatá ao lado do prefeito Bruno Martinano que terminou em um comício na frente da estação. Ao analisarmos a foto desse encontro vemos menos de 3000 pessoas e podemos perceber que não deve estar sendo fácil para o prefeito explicar o porquê de tão pouca gente nos seus eventos, afinal ele tem 10 vereadores, mais de 2 mil cargos comissionados, além dos outros grupos quese encontram beneficiados pela máquina pública.

Para chegar a esse número usamos os critérios adotados pela Polícia Militar para contagem de público em grandes eventos que é de três pessoas por metro quadrado para eventos de pequeno porte, quatro pessoas para médio porte e cinco pessoas para mega eventos. No caso do comício da frente popular a a´rea na frente da estação mede 20 x 30 o que dá 600 m2. Se multiplicarmos por 4 pessoas, chagamos a conclusão de que 2.400 pessoas compareceram ao comício.

comicio de paulo camara

O outro evento foi a visita a lideranças políticas na casa de Luiz Prequé, ex-prefeito, atual vereador da cidade e pai do candidato a deputado federal pela frente popular Rafael Prequé que faz dobradinha com Joaquim Lira filho do atual prefeito de Vitória de Santo Antão, Elias Lira. Neste evento que foi um jantar Paulo Câmara reafirmou os compromissos com a família Prequé e com Gravatá.

Veja o vídeo com os discursos de Rafael,  Joaquim Lira e Paulo Câmara

https://www.facebook.com/Tomaz.d.Aquino

Portanto, daqui a dois anos teremos um grande embate pelo cargo de prefeito, entre o atual prefeito Bruno Martiniano e o vice prefeito Rafael Prequé

 

25 de setembro de 2014 às 08:45h

Feirão Imobiliário Brapor Caruaru

Leia no rota 232 as últimas notícias sobre o 2º Feirão Imobiliário Brapor realizado no North Shopping Caruaru.

2 feirao brapor ravena

http://www.rota232.com.br/feirao-brapor-continua-no-north-shopping/

24 de setembro de 2014 às 22:10h

TCE julga irregulares contratações realizadas pela Prefeitura de Gravatá em 2011

A prática dos prefeitos de não realizarem concurso público para poderem nomear apadrinhados e assim mantê-los sob controle para momentos eleitorais, como agora, onde cargos comissionados vestem a camisa dos candidatos a prefeito, começa a ser questionada pelos órgãos fiscalizadores.

O TCE de Pernambuco julgou contratações feitas no governo de Ozano Brito e constatou que elas foram feitas de forma ilícita. Embora a irregularidade tenha sido oficialmente obra da secretaria de saúde o prefeito responde solidariamente como ordenador de despesa juntamento com o secretário. Dessa forma a punição se houver vai atingir também Ozano Brito.

TCE julga irregulares contratações realizadas pela Prefeitura de Gravatá em 2011

A Segunda Câmara  do TCE julgou irregulares 432 contratações temporárias realizadas pela Prefeitura de Gravatá durante o exercício de 2011. O responsável pelas contratações foi o então secretário de Saúde Jorge Eduardo Barbosa Neves.

Em seu voto, o relator do processo, auditor substituto Marcos Nóbrega, argumentou que, para que se justifiquem as contratações temporárias, é necessário que os programas a que as mesmas se destinam tenham caráter transitório. No caso analisado, o município de Gravatá estava selecionando pessoal para atendimento ao Programa Saúde da família, que não tem caráter transitório,  e para desempenho de outras funções. Por essa razão, as contratações não se justificariam.

Também foi apontado, no voto, o artigo 16 da Lei Federal nº 11.350/2006 que veda a contratação temporária ou terceirizada de agentes de combates às endemias, salvo na hipótese de combate a surtos endêmicos, que não foi caracterizado no exercício analisado. Além disso, o voto do relator destacou que, em 2011, a Prefeitura comprometeu 51,3% da Receita Corrente Líquida com despesas de pessoal o que significa o limite prudencial, estabelecido na Lei de Responsabilidade Fiscal. Em tais situações, os municípios devem se abster de contrair mais despesas com a folha de pagamento.

Por essas razões, as contratações foram julgadas irregulares (Processo TC n° 1300551-0) e os seus respectivos registros, negados.

O voto do relator foi acatado por unanimidade pelos membros da Segunda Câmara, em sessão dirigida por sua presidente, conselheira Teresa Duere. O Ministério Público de Contas (MPCO) esteve representado pelo procurador Guido Monteiro.

Gerência de Jornalismo (GEJO), 22/09/2014

 

 

24 de setembro de 2014 às 21:45h

Ainda a questão de deputado federal

Algumas pessoas me questionaram a respeito da nota que dei sobre a importância da eleição de deputado federal para a política de Gravata.

Naquele texto mostrei que essa eleição daria a clara dimensão de cada líder político da cidade de Gravata,  porque é a única em que cada grupo tem o seu candidato.

Assim o grupo de Bruno prefeito apóia Sebastião Oliveira;

O grupo de Rafael Prequé o próprio líder Rafael é o candidato a federal;

O grupo de Joaquim Neto apoia o candidato Bruno Araújo;

O grupo de Fernando Pinheiro apoia Jorge Côrte Real;

Ozano Brito apoia Luciana Siqueira;

Charles da Madereira apoia Eduardo da Fonte;

Alexandre Medeiros e o PT apoia Oscar Barreto

Junior de Obras apoia Raul Jungman;

Danilo Melo apoia Jarbas Vasconcelos;

Elson Campos apoia André de Paula;

Gustavo da Serraria apoia Roberto Leandro

Júnior de Paulo apoia Lula Cabral

Assim cada um desses doze líderes políticos tem um candidato a deputado federal diferente e é essa votação que vai mostrar a força de cada um. Cabe ressaltar que ainda vão aparecer na urna votos para outros deputados que disputam uma vaga na câmara federal.

Por isso eleitor é que o seu voto para deputado federal é o mais importante para Gravatá porque se você votar em Sebastião Oliveira vai dizer que concorda com tudo que Bruno Martiniano está fazendo. Do mesmo modo se votar em Bruno Araújo vai referendar também o que Joaquim Neto já fez e vai reforçar essa briga de azul e vermelho. Portanto, se você não concorda com a gestão do atual prefeito e nem quer de volta o modelo de administrar de Joaquim Neto, então o seu voto deve ser dado a Rafael Prequé, ele merece esta chance de mostrar o seu modelo de administrar.

Lembre-se a eleição de agora é só o primeiro tempo, o segundo será em 2016 na eleição para prefeito e nessa nós não podemos perder de novo. Já perdemos duas, vamos ganhar a terceira.

Vote em Rafael  este é o voto da insatisfação, do protesto, da vontade de mudar, da vontade de ter uma cidade diferente com um líder político que respeita e considera o cidadão.

 

24 de setembro de 2014 às 16:31h

Oposição só ganha de Bruno se caminhar unida em 2016

É matemática. Quem acompanha as eleições de Gravata sabe que em 1996 Silva ganhou a eleição porque a oposição estava dividida.

Saíram candidatos a prefeito naquela época João Batista, pai de Danilo, Anastácio genro de Madalena e Joaquim Neto todos pela oposição disputando contra Solas candidato da situação apoiado por Luiz Prequé que era o prefeito de Gravata.

Pois bem quando as urnas foram abertas estava lá o resultado: os três candidatos da oposição tiveram 1 5 mil votos juntos. Entretanto, Solas teve pouco mais de nove mil votos e foi o vencedor, visto que em Gravata não temos segundo turno.

A mesma situação poderá se repetir em 2016 se todo mundo quiser ser candidato a prefeito disputando contra Bruno Martiniano.

Num quadro hipotético mas muito próximo da realidade supondo que saiam candidatos a prefeito: Rafael Prequé, Joaquim Neto, Darita, Ozano e Charles da Madeireira, o resultado vai ser o mesmo de 96, Bruno ganha com muito menos votos do que todos eles juntos.

Outro quadro é sem Joaquim Neto e com ele apoiando Leo do Ar, porque isso já foi acordado com Bruno Araújo e com Alberto Feitos a, caso Joaquim não consiga o registro o candidato do PSD em 2016 será Leo. A não ser que Joaquim escolha outro como escolheu Ozano, em lugar de Danilo e com certeza se arrependeu.

Portanto, a oposição só tem um caminho se unir para poder tirar Bruno da prefeitura, não esqueçam que uma prefeitura é uma arma poderosa e faz muita diferença numa cidade do interior.

24 de setembro de 2014 às 15:46h

Joaquim Neto vai ser candidato a prefeito

Muita gente vem me questionando a esse respeito, querendo saber minha opinião  a respeito dessa questão.

Antes de entrar nesse assunto propriamente dito quero esclarecer que não faço jornalismo raivoso, vingativo, descaracterizado. Pelo contrário gosto de um jornalismo opinativo com base em argumentação lógica, fundamentado em dados concretos.

Emoção só ajuda no jornalismo literário. No jornalismo opinativo – informativo só a razão pode contribuir para analisar um fato com imparcialidade.

Entrando na questão da candidatura de Joaquim Neto, da eleição anterior para a eleição atual existe uma diferença fundamental. Em 2012 quando foi candidato JN tinha apenas processos no TCU sugerindo a reprovação de suas contas. Além disso não havia processos transitado em julgado.

Na próxima eleição 2016, JN vai ter processos julgados, contas rejeitadas pela câmara e parecer da Procuradoria Geral contrários à sua candidatura.

Portanto, é um novo quadro que se for analisado pelo lado jurídico impede o seu registro. Entretanto, como no Brasil tudo ou quase tudo se resolve com política, é possível que ele possa ser candidato. Difícil, mas não impossível.

É só lembrarmos do caso de Brejo onde Bruno Araújo tirou um prefeito e botou como foi publicado na mídia, apenas com a amizade a um ministro.

Se Bruno Araújo ganhar e tiver força no novo governo pode fácil tarde a vida do ex- prefeito Joaquim Neto.