21 de setembro de 2018 às 19:58h

Gravatá vai ganhar o IHAG – Instituto Histórico e Arquitetônico de Gravatá

Assim como a derrubada da bastilha inciou a revolução francesa. Guardando-se as devidas proporções a derrubada do pontilhão de Gravatá mexeu com o sentimento de amor pelas coisas da cidade envolvendo a sua história e a preservação do seu patrimônio e juntou num só projeto, arquitetos, professores, comunicadores e advogados no sentido de fundarem  uma entidade para que se evite no futuro atos imprudentes e que provocam a destruição do patrimônio do município.

Esse grupo pensou então em funda o IHAG- Instituto Histórico e Arquitetônico de Gravatá com o objetivo de executar ações de proteção ao patrimônio e também de conscientizar a população sobre a importância do seu envolvimento no processo de preservar, recuperar e manter vivo o legado das gerações passadas assim como o de proteger a própria história da cidade.

Atualmente, o projeto de fundação do IHAG entra na sua reta final, pois já tem seu estatuto, a sua sede provisória, gentilmente cedida pelo professor Lamartine de Andrade Lima, filho de um dos findadores da Academia de Letras e Artes de Gravatá, José Lamartine, autor da letra do hino da academia e que em sua homenagem foi montado um espaço com seu nome e que conta com uma biblioteca com mais de 16 mil volumes e que será o quartel general do movimento de defesa do patrimônio arquitetônico, artístico e cultural de Gravatá.

Vera Menezes a idealizadora da entidade concedeu entrevista ao jornalista Tomaz de Aquino, onde falou sobre a importância do instituto e a necessidade de se ter esse órgão no município, destacou inclusive, que a escolha do símbolo do IHAG será feito com a participação dos alunos de Gravatá que contribuirão com suas criações criando assim um primeiro elo de ligação dos jovens estudantes com o instituto.

Confira abaixo o Bate Papo de Vera Menezes com Tomaz de Aquino.

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.