15 de outubro de 2014 às 10:02h

O Dia do Professor

O dia 15 de outubro é uma data dedicada ao professor. Alguns estudiosos afirmam que a humanidade evoluiu muito nestes últimos séculos, que o aperfeiçoamento da máquina fez desaparecer as fantasias poéticas, que a educação tomou novos rumos, prejudicando em parte as conquistas morais da civilização moderna tanto no campo intelectual quanto no campo social e até religioso, que o homem se sujeitou mais a si próprio, aos seus interesses materiais, corrompendo-se, deixando para trás a vida puramente espiritual.

Para um grupo menos otimista, desde que afetada a vida puramente espiritual, é provável que muitos homens, especialmente os de formação superficial, motivados por pressões particulares, vivam se digladiando e flutuem no convívio social de modo inconveniente, infringindo os mais elementares princípios das normas convencionais de decência e polidez. Desapareceu o espírito de solidariedade.

O professor é alguém que não pode se associar a essa forma de vida. É incontestável que o professor tem um ideal e, ao mesmo tempo tem o dever de, a todo o custo tentar modificar esse deformado quadro e jamais contribuir para o seu desenvolvimento. A educação é definida como um processo social sujeito a transformações constantes e se destina a criar uma nova consciência no indivíduo e no grupo eliminando a leviandade, a ignorância e a imoralidade.

Por isso, o professor que exerce a nobre tarefa de educar, não deve fomentar esse quadro deprimente e imoral dos nossos dias, com o pretexto de propiciar a liberalidade, confundida pelos incautos com a libertinagem e a falta de respeito, contribuindo para a degradação moral da educação e da própria instituição, além de ver ridicularizada a sua imagem de professor. Em suas obras “Pedagogia da Autonomia” e “Pedagogia da Indignação”, Paulo Freire aborda de modo incisivo a temática denominada de “ética universal”. Diz ele que “os educadores devem exercitar uma ética inseparável da prática educativa que deve se concretizar no cotidiano e dela dar testemunho”.

O fato de alguns governantes pouco relevarem a importância da educação, ao professor incumbe dedicar-se com amor à tarefa de educar, adotando em sala de aula, posição de invejável nível para que renasça a unidade entre estudantes, possibilitando uma melhor conscientização moral, ética e política. De parabéns os professores deste Brasil!.

Por Eliezer Andrade

5 de outubro de 2014 às 05:00h

A Família e seus desafios

Eliezer Andrade

Eliezer Andrade

A instituição “casamento” está em crise e as conseqüências desta crise, certamente, afetarão ainda mais do que já tem afetado e prejudicado a família. Pelo fato do casamento não está sendo visto como algo estabelecido por Deus, questões de insegurança e complicações tão logo surgem, a tendência é de se optar pela separação e divórcio. Em uma relação familiar saudável não deve existir ódio, rancor, mágoa, ressentimento e amargura, a fim de que haja estabilidade matrimonial e dessa união saudável, brotem filhos saudáveis e felizes.

Alguém pode pensar que já houve período da história bem mais fácil para criar e educar filhos, mas isso nunca aconteceu em época nenhuma, porque as pessoas nem sempre optaram por criar os filhos segundo os padrões de Deus. O que ocorre em nossos dias é que a sociedade é submetida sem limitação a padrões impostos pela cultura corrente e propalados pelos meios de comunicação social, onde se dita a melhor forma de viver quando, na verdade, não é. A sociedade atual é manipulada num mundo onde tudo é permitido até culminar com vícios destruidores e imorais e até o linguajar é degradante. A pressão social dissoluta tem atingido até as igrejas. Tudo isto e mais a ausência parental motivada pelos desejos de ser e ter, afeta cruelmente os desafios familiares.

O que nunca deixou de existir foi a tríade familiar constituída de pai, mãe e filhos que é a estrutura relacional base para a formação do ser humano, e esta é que está decaída. Aquele amor que deve ser demonstrado e experimentado em relacionamentos de maneira mais íntima no ambiente familiar, já não existe. O amor verdadeiro na família inclui respeito, honra, consideração e desejo de agradar para um perfeito ajustamento.

Para aqueles que freqüentam a igreja, seja ela qual for, acompanhados dos seus filhos com objetivos voltados para a obediência a Deus que possam trazer bons reflexos para a família, com certeza essas angústias e inquietações poderão ser amenizadas com melhor disciplina estabilizada no lar. Para que esta bonança aconteça nos lares, os pais têm que dar bom exemplo e serem solidários com os problemas dos filhos e ajudá-los na solução porque se assim não acontecer, o mundo cuidará deles conduzindo-os para o mau caminho.

Por Eliezer Andrade

30 de setembro de 2014 às 12:27h

Conferência de Aniversário da Igreja Batista Renovada de Gravatá

bastista renovada

9 anos de Obras Maiores

De 02 a 05 de outubro de 2014

‘Porque o Pai ama o Filho, e mostra-lhe tudo o que faz; e ele lhe mostrará obras maiores do que estas, para que vos maravilheis.’

Preletores:
Pr. Arthur Eneias – Paulista-PE
Pr. Renan Silva – Gravatá – PE

Ministrações:

Quinta (02/out)
O Deus das Obras Maiores

Sexta (03/out)
Obras Maiores na família

Sábado (04/out)
Paternidade, a maior Obra de Deus

Domingo (05/out)
O Espírito Santo e as Obras Maiores

Participações:
IBI – Natal
Com. Ser Livre – SP
Viva Voz
Rochia
Ronaldo Cavalcanti e banda

Informações: 81 9677-9730

Facebook: www.facebook.com/batistarenovadadegta

9 de setembro de 2014 às 14:28h

Como será o nosso amanhã?

Falando das promessas consoladoras para Sião, o profeta Isaías escreveu o seguinte: “Por isso, o SENHOR espera, para ter misericórdia de vós, e se detém, para se compadecer de vós, porque o SENHOR é Deus de justiça; bem-aventurados todos os que nele esperam” (Isaías 30.18).
Envolvido com as facilidades do sistema, ilhado por um rosário de regras impostas pela sociedade, fica difícil o homem da pós-modernidade entender a vontade de Deus e nEle esperar como um amigo capaz de colaborar para a solução dos seus problemas. A misericórdia de Deus e sua compaixão pelo homem são equilibradas. Elas interagem com Sua justiça e com o fato dEle ser exalçado.
Para que o homem possa esperar em Deus, não deve estar preocupado somente com o agora, não deve agir mecanicamente ou pensar aleatoriamente, mas tudo deve fazer racionalmente, com uma visão futurista tranqüila, sem receio de conseqüências drásticas. Vê-se que qualquer pessoa almeja uma vida prazerosa, porém agindo mecanicamente, está semeando ao vento e não colherá outra coisa senão tempestade. Há um Provérbio que diz: “Porque deveras haverá bom futuro; não será frustrada a tua esperança” (Provérbios 23.18). Este versículo provê a perspectiva de que todos precisam de sucesso atual não como um resultado definitivo. A expressão “bom futuro” pode ser interpretada como futuro glorioso que está reservado a todos os justos que depositam sua fé em Cristo Jesus. A vontade de Deus se fundamenta no caráter dEle. Deus é bom e deseja que sejamos bons. Deus é justo e deseja que sejamos justos. O que acontece ao homem se provar desse caráter de Deus? Ele precisa agir como Jesus agiu para torná-Lo conhecido através de si, nos seus relacionamentos. Por isso, o homem tem que andar com Deus. O homem não tem que permitir que a vida o leve, ele é quem deve levar a vida. Nossa vida se resume em duas coisas: em realizações ou em desculpas. Assim, Deus espera agora que trabalhemos, que amadureçamos na fé porque é Ele quem está preocupado com nosso futuro.
Todo jovem almeja um futuro brilhante através do estudo e do trabalho, mas se desde cedo se envolve com más companhias, a tendência é seguir o lado mau, o lado dos vícios em geral e da criminalidade. Para vencer nas diversas áreas da vida, o jovem tem que renunciar aos maus caminhos e adotar em sua vida uma firmeza de princípios, a fim de enfrentar as armadilhas que levam à destruição. São os princípios que mudam nossas vidas e não o que pensamos ou o que achamos. A Bíblia mostra a história de homens que andaram com Deus e foram contemplados com Seus benefícios, mas no final enveredaram por caminhos tortuosos que os levaram à destruição. O homem cresce quando anda no caminho certo. Muitos acreditam que o dinheiro resolve qualquer situação, mas é engano. O dinheiro compra remédio, mas não compra saúde; compra bajuladores, mas não faz verdadeiros amigos; compra uma boa causa, mas não compra a tranqüilidade; compra o conforto, mas não compra a paz interior. O homem tem que parar de olhar para fora e começar a olhar para dentro porque para onde o homem está olhando, é que determina para onde ele está indo.